domingo, 23/junho/2024
PUBLICIDADE

Acusado de matar mulher no Nortão vai à júri popular

PUBLICIDADE

A Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso ratificou ordem judicial proferida em Primeiro Grau para que um homem acusado de espancar e levar à morte a ex-mulher seja submetido a julgamento popular na Comarca de Colíder ( 150km de Sinop). Os julgadores encontraram, nos autos, indícios suficientes de autoria e materialidade em desfavor do réu, de forma a sustentar a sentença de pronúncia proferida contra ele. No julgamento do recurso em sentido estrito também foi mantida a presença da qualificadora de motivo torpe, em razão da forma de execução da ação criminosa.

De acordo com os autos, entre os dias 11 e 12 de dezembro de 2005, o acusado teria agredido violentamente a companheira, causando graves lesões que, posteriormente, ocasionaram-lhe a morte. Esta não teria sido única vez em que a vítima sofrera agressões físicas. Conforme a acusação, o acusado se revoltou ao saber que a esposa denunciara à Polícia Civil as constantes agressões sofridas. Ao chegar em casa, iniciou nova série de agressões. Ao fim da sessão de espancamento, ao perceber a gravidade da situação, o suspeito conduziu a companheira ao hospital do município, informando aos médicos que ela estaria doente. A vítima foi atendida, mas não resistiu.

Em sua defesa, o acusado alegou que apenas um ferimento na cabeça poderia ter causado a morte da companheira, mas que não teria sido ele o responsável. Argumentou ainda que a vítima tentou agredi-lo com um cabo de vassoura, desmaiou e caiu no chão do banheiro, batendo a cabeça na louça do vaso sanitário. Sustentou que em momento algum almejou a morte de sua companheira, tendo até mesmo lhe prestado socorro, motivo pelo qual entendeu que o crime por ele praticado foi o de lesão corporal seguida de morte. Sendo assim, solicitou alternativamente a desclassificação do delito, imputado como homicídio.

O relator do processo, juiz convocado Rondon Bassil Dower Filho, identificou indícios de autoria, especialmente com base no relato de testemunhas ouvidas em Juízo. Elas afirmaram que a vítima mencionou as agressões praticadas pelo acusado, inclusive momentos antes de falecer. Narraram ainda que as agressões eram constantes e que quando o acusado chegava em casa embriagado, a vítima ficava bastante assustada. Outra testemunha relatou também que, no dia em foi morta, a vítima encontrava-se com a filha no colo. Assim, das vezes em que o acusado chocou a cabeça da companheira na parede do banheiro, a cabeça da criança também recebeu o impacto, sendo necessária a internação da mesma durante três dias no hospital.

O médio perito que examinou a vítima concluiu que as lesões constatadas na ocasião eram compatíveis com o histórico de agressões perpetradas pelo seu companheiro, conforme noticiava o boletim de ocorrências. "Sendo assim, diante do histórico de agressões perpetradas pelo ora recorrente contra sua companheira, noticiado pelas testemunhas ouvidas durante a instrução criminal, e havendo indícios suficientes de autoria em relação aos ferimentos que causaram a morte da mesma, assim como da presença de animus necandi (intenção de matar) no momento de sua prática, as dúvidas devem ser dirimidas pelo conselho de sentença", concluiu o juiz relator. Acompanharam o seu voto os desembargadores Rui Ramos Ribeiro (primeiro vogal) e Juvenal Pereira da Silva (segundo vogal).

 

COMPARTILHE:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias
Relacionadas

Polícia Civil alerta sobre golpes da falsa central telefônica em Mato Grosso

No Brasil, 208 golpes de estelionato são registrados por...

Corpo de jovem sequestrado é localizado em Sorriso

A equipe de investigação de homicídios da Delegacia de...

Dois homens são presos suspeitos de violência doméstica no Nortão

Dois homens suspeitos por violência domésticas foram presos em...

Homem é assassinado a tiros no Nortão

A polícia informou que Maicon Leandro Cardoso, 31 anos,...
PUBLICIDADE