Opinião

Verdades e mentiras ?

Acabo de almoçar. Um almoço trivial como, qualquer brasileiro. Sento-me à frente da TV e vejo o deprimente depoimento do Sr. Delúbio Soares. Já havia assistido os depoimentos do dia anterior, onde depoentes não tinham o compromisso com a verdade. Meu Deus !!! Como pode a nossa maior representação política (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito  – Senado e Câmara Federal)  aceitar um testemunho ou depoimento, onde os responsáveis não tenham compromisso com a verdade? Como não acredito em certas coisas  : meio honesto, meio certo, meio grávida, meio vi…, também não posso acreditar em meia verdade. Ou ela existe ou é mentira. Será que os depoentes (testemunhas ou suspeitos) não poderiam realizar um gesto de verdadeira cidadania e falar SOMÈNTE  a verdade. Todos já estão na lama. Não seria, mais  digno, sair pelo menos por cima, menos enlameado possível.

Não acredito também, que temos em nossa maior representação somente pessoas desonestas, temos gente boa também, poucas,  mas temos. Mas porque proteger o “improtegível”??? Está tão evidente o conluio de vários parlamentares e assessores que fica muito difícil um cidadão comum como eu acreditar.

Já que a M…está sendo jogada no ventilador e que com essa “proteção”,  que está se criada, só vai proteger mais produtos iguais aos que estão sendo colocados nos ventiladores do Brasil, não seria de “bom tom”, encerrar de uma vez por todas isso aí?

Sinto-me envergonhado! Não pensei que após anos de luta, nessa nossa terra tão inóspita e longínqua, onde conseguimos construir uma cidade e uma sociedade com muito pouca ajuda governamental, tivesse que ouvir tantas mentiras ou “inverdades” perante a nossa maior representação política.

Não sou contra ninguém e nem partidos. Admiro todos que trabalham pra a sociedade e em nossa cidade,  temos inúmeros exemplos de pessoas bem sucedidas, que repartem seu tempo em prol dos menos favorecidos, mas, em Brasília, pelo amor de Deus, nos poupem!. Sabemos o que é trabalhar, sabemos o  que é honradez e dignidade.

Não vou aqui incitar nenhuma campanha demagógica.

Mas pedir respeito é o mínimo que posso fazer.

Luiz Carlos de São José – engenheiro agrônomo, estudante de Direito, micro-empresário, 26 anos de Sinop.
[email protected]