domingo, 3/março/2024
PUBLICIDADE

Tropa de Elite 2

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A política deveria ser utilizada apenas para que pessoas iluminadas, pudessem mostrar às massas, o caminho do aperfeiçoamento, não para enriquecer oportunistas como ocorre atualmente. Ontem, (28/12), após longos anos afastado da arte espetacular do cinema, considerada a oitava maravilha do mundo, convidei minha esposa a vereadora Zuleica Mendes, para irmos ao cinema.
       
A noite foi de gala e júbilo, após tantos anos, relembramos de tudo, da pipoca, do refrigerante e tudo mais. A empolgação era tanta que denunciava meu entusiasmo, ao ponto de outros assistentes também se manifestarem. O filme foi ao mesmo tempo, chocante e estarrecedor, ao mostrar a realidade nua e crua da política brasileira, que pode ser diferenciada de uma região para a outra apenas pela intensidade de suas práticas.
       
Ao observar a crítica do filme, dedicamos especial atenção ao papel desempenhado pela personagem do deputado FORTUNATO, aquele que desafiava o governador a punir com a força bruta, a bandidagem, que eles próprios praticavam através das milícias, formadas pelos policiais, que lhes garantia votos.
       
Foi inevitável a comparação entre o deputado e alguns apresentadores de televisão, que usam de forma vil, a televisão, meio de comunicação de massas, para atingir objetivos outros que não o de bem informar.
       
A política precisa de uma reforma moral urgente. É inexplicável entregar mandato popular a indivíduos que não estejam preparados para propiciar o desenvolvimento do povo, sem ter como principal objetivo se arrumar na vida, buscar a qualquer preço o enriquecimento pessoal às custas do bem público.

Pedro Ferreira Mendes é advogado, ex-vereador e ex-presidente do PMDB em Sinop

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Endometriose: A importância do diagnóstico precoce

O Março Amarelo começou! É o mês mundial de...

O Indizível

Quando menino, a mãe pedia para eu ir ao...

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...