quarta-feira, 28/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Superar: privilégio dos anormais

Claiton Cavalcante Membro da Academia Mato-Grossense de Ciências Contábeis.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Em 1998, um menino, à época, com 13 anos de idade apaixonado por futebol viu pela televisão um horror quando a seleção de Zidane massacrou o time brasileiro.

Naquele mesmo ano, de forma indireta, o pré-adolescente fez valer a imortal crônica futebolística de Nelson Rodrigues, quando escreveu que: “O que procuramos no futebol é o drama, é a tragédia, é o horror, é a compaixão”.

O menino que sonhava em ser jogador de futebol e já tinha visto o horror da “surra” francesa por 3 x 0, vivenciou o drama de largar esse esporte por ter sido picado por uma cobra jararaca, que além de quase ter posto fim a sua prelúdica vida o deixou com os movimentos limitados no pé e na perna esquerda.

O pai do menino até tentou incentivá-lo a retornar aos campos de futebol, para isso criou um time onde levava o promissor atleta a tiracolo. Quase deu certo o retorno aos campos de terra.

Mas ele, o menino, teimava em seguir a crônica rodriguiana. Coxo da perna, agora sofreu acidente de trabalho e perdeu a visão. Após várias cirurgias sem sucesso, só restou aos oftalmologistas realizar a extração do globo ocular esquerdo. Hoje usa prótese para fins estéticos.

O genitor era persistente e mesmo com o filho coxo de uma perna e cego de um olho, ambos do lado esquerdo, não deixou a “bola cair” e apresentou o menino ao mundo do atletismo. No início dessa nova empreitada ainda jogava bola e corria 15 quilômetros diariamente.

Não demorou muito e graças a persistência do agora atleta, os resultados nas corridas de rua começaram a surgir. Pois, ainda no ano de 2006 competindo com atletas sem nenhum tipo de limitação física alcançou a 38ª posição na classificação geral da Corrida de Reis, realizada em Cuiabá.

A partir daí e com a orientação profissional de um renomado técnico de atletismo que o viu – mesmo com a deficiência em um dos membros inferiores – desbancar quatro dos seus atletas durante uma corrida de rua no interior do Estado, o antes menino apaixonado pelo futebol tornou-se atleta paralímpico profissional.

Ao ingressar na escola de atletismo os resultados positivos foram tão rápidos quanto suas passadas e em menos de dois anos de treinamento o atleta que já era adulto, ganhou pela primeira vez a Corrida de Reis, em 2008.

E para a surpresa de muitos, o primeiro lugar no pódio dessa mesma corrida se repetiu durante outras cinco corridas consecutivas, ou seja, entre os anos de 2009 e 2013, tornou-se personagem habitual a frequentar o ponto mais alto da premiação.

Com esse currículo de seis vitórias seguidas em uma das maiores corrida de rua do Brasil, o atleta foi convidado a participar do Circuito Loterias Caixa de Atletismo, realizado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro.

Nosso atleta aceitou o desafio, cujo objetivo era alcançar o índice para participar da Paralimpíada do Rio 2016 e como já não era mais surpresa para ninguém, o desportista durante o Circuito Loterias Caixa bateu recordes brasileiro nos 5 e 10 mil metros, resultados que o credenciou a integrar a Seleção Brasileira de atletismo paralímpico.

Os atletas paralímpicos são divididos em grupos, que disputam entre si, de acordo com o grau de deficiência constatado pela classificação funcional. As classes são definidas pelo Comitê Paralímpico Internacional, que no caso das corridas de rua e pista, possui a classe “T”. O nosso atleta enquadra-se nas classes T11 a T13 (Deficiências visuais) e T42 a T44 (Deficiência nos membros inferiores sem a utilização de prótese).

No entanto, o pensamento rodriguiano roubou a cena mais uma vez. Não bastasse coxo e cego de um olho, no final do ano de 2013 o atleta foi diagnosticado com um tumor maligno na região do tórax.

Em decorrência do tratamento, mais um perrengue, apenas um dos rins funciona com capacidade plena, o outro está capenga idêntico ao membro inferior. Foi quase um ano de tratamento, tempo suficiente para retirá-lo da Seleção Brasileira e consequente da Paralimpíada do Rio.

Após tanta tragédia, são poucos os destemidos que seguiriam em busca de vitória. Nosso atleta é um desses. Pois não deixou se abater pelos desajustes que a vida lhe impôs e seguiu correndo.

Correu e treinou incansavelmente entre os anos de 2015 e 2016, para no ano seguinte ser novamente pela sétima vez campeão da Corrida de Reis.

E por falar em sete, no decorrer de todo esse período atrelado aos obstáculos que surgiram em seu caminho, nosso atleta seguiu à risca uma das sete “virtudes divinas”, que é a paciência.

Pois somente os grandes campeões são capazes de manter o controle emocional, sem perder a calma mesmo após enfrentar dificuldades de todos os prismas tendo sempre a certeza de que quando cruzar a linha de chegada terá deixado para trás todas as intempéries, seja mundana ou não.

E nesse ínterim, entre 2017 e os dias que seguem, nosso atleta tornou-se marido, pai de uma linda menina que também corre pra dedéu e voltou a treinar em alto nível com o apoio daquele antigo técnico.

Resultado disso tudo: Em 2024, após correção, foi declarado vencedor pela oitava vez da Corrida de Reis. Desfecho que reascende a esperança de voltar a integrar a Seleção Brasileira de atletismo paralímpico para quem sabe disputar os Jogos de Paris 2024.

Parabéns, Allender dos Anjos Souza!

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...