quarta-feira, 28/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Sucateamento da CGU e do IBGE

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Cortar verbas de custeio de um órgão público equivale a cortar o alimento, a água ou o oxigênio de uma pessoa. A vítima vai definhando e torna-se incapaz de exercer suas funções vitais. Quase nenhum governo é sincero o suficiente para reconhecer que não deseja que determinada instituição funcione, especialmente quando se trata de uma instituição de controle, destinada a prevenir falhas e desvios na gestão de recursos públicos. Em vez disso, silenciosamente, promove a asfixia financeira do órgão, fragilizando sua atuação e inviabilizando sua efetividade. É exatamente o que o governo federal está fazendo com a Controladoria Geral da União, órgão central do sistema de controle interno do poder executivo da União, responsável também pelos sistemas de combate a corrupção, corregedoria, ouvidoria e transparência.

Em 2014, a CGU sofreu um corte de R$ 7,3 milhões no seu orçamento. Além do comprometimento de despesas básicas como água e luz, foi inviabilizada a realização de fiscalizações e auditorias, que envolvem pagamento de passagens e diárias. As fiscalizações em municípios foram reduzidas a metade. Ademais, há déficit de auditores, sem perspectiva de reposição.

Quem denuncia a penúria orçamentária da CGU é o próprio ministro da pasta, bem como os sindicatos e associações, impotentes para sensibilizar a chefia do governo quanto às graves consequências de tal sucateamento.

Assim, não é surpreendente que se avolumem notícias sobre desvios multimilionários na execução de contratos na Petrobras e outras estatais, além do significativo prejuízo de obras de infraestrutura atrasadas ou paralisadas.

Outra importante instituição nacional vítima de asfixia financeira é o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O corte de recursos foi de tal monta na proposta orçamentária de 2015 que foi cancelada a realização do Censo Agropecuário, valioso instrumento de pesquisa, diagnóstico e análise do setor que tem sido o responsável pelo mínimo crescimento econômico do país e pelo saldo de nossa balança comercial, um dos poucos indicadores que ainda sustentam a credibilidade brasileira no cenário internacional. O último Censo ocorreu em 2006, quando a produção de grãos era de 120 milhões de toneladas, ante os 190 milhões de 2014, e é com base em dados desatualizados,relativos a uso e ocupação de terra, mão de obra e técnicas produtivas, que são adotadas as decisões relativas a abastecimento, crédito, regularização fundiária, entre outras. Novo Censo só poderá ser realizado em 2017 e até lá as políticas dirigidas ao setor continuarão sendo conduzidas às cegas. Naturalmente, Mato Grosso é um dos estados mais afetados.

É a alocação de recursos orçamentários que indica as verdadeiras prioridades de um governo. Quem corta verbas para o controle da gestão pública e o combate à corrupção não está sinceramente empenhado no saneamento da administração. Quem inibe a produção de estatísticas de qualidade para informar a definição de políticas públicas não contribui para o seu aprimoramento.

A justificativa de sempre é a escassez de recursos. No entanto, o BNDES tem sido pródigo na concessão de financiamentos a alguns poucos grupos empresariais privados, como o JBS-Friboi, que recebeu 1,3 bilhão de dólares para aquisição de ativos nos Estados Unidos e na Austrália, além de ter 23,6% de participação da BNDESPAR no seu capital total.Engana-se quem pensa que tais operações são lucrativas para o país, pois o Tesouro tem realizado empréstimos ao BNDES, superiores a R$ 400 bilhões, a uma taxa de juros inferior ao custo de colocação de títulos públicos no mercado. A cada aumento da inflação e da taxa Selic, tal custo é maior para os brasileiros.

É importante que o Congresso Nacional, ao deliberar sobre a Lei Orçamentária de 2015, exerça plenamente sua missão constitucional, fixe prioridades em consonância com as necessidades do Brasil e reverta o sucateamento da CGU e do IBGE.

Luiz Henrique Lima – auditor Substituto de Conselheiro do TCE-MT – Graduado em Ciências Econômicas, Especialização em Finanças Corporativas, Mestrado e Doutorado em Planejamento Ambiental, Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia.
 

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...