quarta-feira, 28/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

O que fazer diante de um arrogante

Wilson Carlos Fuáh – É Especialista em   Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas em Mato Grosso
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Em vários setores das atividades profissionais, encontramos pessoas que vivem fora do estado normal e são consideradas “fora de si”. 

Veja que nos lugares onde exercemos as nossas atividades profissionais podemos encontrar pelo menos uma dessas pessoas consideradas arrogantes, e geralmente, são pessoas de pouco saber e que gosta de ditar regras, e que vivem em busca da possibilidade de  exercer o cargo de liderança e subir na profissão a “qualquer custo”, promovendo insultos, promovendo maldade por pura incoerência, usando voz alta como compensação e promove todo tipo de arrogância para tentar enfraquecer alguma pessoa que ela escolheu como adversária.
             
Insultar é uma arma perigosa e que é usada por pessoas despreparadas, fora de si e que vive no seu estado de anormalidade. Ninguém neste mundo tem o direito de desacatar ou insultar os colegas de serviço, pois  todos aqueles que assistem esse tipo de ato, naturalmente, se colocam do outro lado do agressor, por entendê-lo como um inescrupuloso, incoerente e maldoso.
                
Essas pessoas são facilmente reconhecidas, pois geralmente trazem no rosto uma expressão carregada e de pouco sorriso, ao seu redor cultua um ambiente pesado e preferem isolar-se, para preparar o ataque, agindo no inesperado, deixando a pessoa atacada sem defesa.
                
Para conviver com essas pessoas conhecidas como arrogantes por excelência, a melhor saída é usar a calma, a paciência, pois o bom senso faz parte do autocontrole, e a não reação, faz com que o arrogante tende a desistir das suas ações agressivas diante de uma pessoa paciente, calma e serena.
              
Certo dia ao assistir como observador indignado,  vi uma ação de ataque de uma pessoa insultadora, e fiquei sem entender a não reação e a calma do colega de serviço que recebia o ataque, e que mesmo sendo desmoralizado e provocado através de calúnias e provocações, ficou calado e na maior tranquilidade e mansidão, e isso, fez com que o insultador desistisse e saísse da sala do paciente agredido, para curtir em sua sala isolada (ou toca), o prazer de ser um arrogante, pois sempre usará a roupa de um insultador em nome da arrogância, que é um modo de vida que escolheu para viver no seu estado anormal.

Mas, um colega que assistiu a tudo, ficou desapontado e perguntou, por que agredido – porque  você não reagiu diante de tanta provocação e insultos?         

Usando um pensamento oriental, disse: “Se alguém chegar até você com um presente, e você não o aceita, a quem pertence o presente?”, perguntou o colega insultado.
                     
“A quem tentou entregá-lo”, respondeu o colega que assistiu a tudo indignado.
– “O mesmo vale para a inveja, a raiva, e os insultos”, disse o colega insultado. – “Quando não são aceitos, continuam pertencendo a quem os carregava consigo”.
                     
Temos que ter muita calma diante de um arrogante, pois ele busca o ataque como forma de disfarçar a sua incompetência, incoerência e falta de ações inteligentes, pois ao tentar enfrentá-lo estará se igualando ao mesmo.

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...