segunda-feira, 26/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

O potencial em granitos e rochas ornamentais do estado de Mato Grosso

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O Estado de Mato Grosso apresenta uma grande variedade de ambiências geológicas, propícias ao desenvolvimento de trabalhos de pesquisa e exploração para granitos e rochas ornamentais, considerando-se a diversidade litológica associada ao seu embasamento, corpos intrusivos e derrames vulcânicos encontrados em suas diferentes regiões.
Existe uma imensidade de tipos petrográficos, com variedades de composição mineralógica, de cores, de estruturas e texturas que permitem escolhas que vão do cinza ao vermelho, passando pelo azul e pelo verde, da grã fina a grã grosseira, maciços ou movimentados, permitindo assim opções de comercialização que tornam viáveis investimentos no setor.

A ampla distribuição geográfica é outro fator que favorece a exploração desse importante bem mineral. Diferentes regiões do Estado possuem exposições significativas de "granitos" e "movimentados" destacando-se as regiões Norte, Nordeste, Centro Oeste e Sudoeste. As demais possuem ocorrências de mármores, quatzitos e outras variedades de rochas, passíveis de aproveitamento economico.Por outro lado, são poucos os trabalhos técnicos direcionados ao estudo dessas rochas, deficiência que associada à questão de logística e infra-estrutura, energia e transporte, tem dificultado o desenvolvimento do setor, explicando a quase ausência do Estado na sua produção, exploração e comercialização.

Para permitir o desenvolvimento do setor algumas iniciativas pioneiras tem sido tomadas à nível de Estado, principalmente pela Companhia Matogrossense de Mineração – METAMAT -( vinculada a Secretaria de Indústria, Comércio, Minas e Energia-SICME) . Dentre estes trabalhos o mais importantes estão relacionados ao rastreamento das ocorrências e a divulgação do seu potencial econômico.

Neste aspecto, um projeto de importância fundamental é o Projeto de "Utilização de Artefatos de Pedra na Indústria de Construção Civil", iniciativa pioneira, implantada na região de Alta Floresta com a criação da "Cooperativa de Produção Comunitária de Artefatos de Pedra para Obras e Construção Civil"-a COOPERGRAN, embrião de um futuro pólo graniteiro na região norte do Estado.

O objetivo fundamental da criação desta Cooperativa é o aproveitamento de rochas graníticas para a produção de "cantarias" (paralelepípedos, guias, blocos, placas, colunas, lápides e outros) utilizando-se mão- de- obra disponível e promovendo-se a utilização de recursos naturais existentes próximos aos centros urbanos.

A grande demanda por esses materiais no calçamento de vias públicas, calçadas, pátios e estacionamentos e ao mesmo a possibilidade de geração de emprego e renda local, com redução de custos na indústria da construção civil é outro fator que atualmente justifica a implementação de um projeto com esse enfoque.

Num primeiro momento, prevê-se a utilização da matéria-prima para a produção de artefatos de pedra, mas posteriormente visualiza-se sua utilização na produção de rochas ornamentais, já que o processo de avanço, através de "fogacho", é o mesmo utilizado tanto para a obtenção de um como de outro.

Inicialmente a boa utilização desse potencial passa pelo treinamento e capacitação do pessoal empregado, da utilização de equipamentos mais sofisticados como compressores e marteletes e o mais importante, da produção de artefatos de qualidade. A seguir, através da utilização de parcerias com as prefeituras municipais, da divulgação das qualidades do produto, da sua resistência e durabilidade, alcançaremos a fase de distribuição, comercialização e instalação, com menores custos e a melhores preços.

Ao final, teremos, através da extrema mobilidade das equipes de extração de blocos, a possibilidade de aproveitamento das diferentes fontes de matéria-prima na produção racional de blocos, placas, pequenas peças de artesanato ou mesmo de brita de resíduo, dentro do conceito de economicamente sustentável, socialmente justo e ambientalmente correto.

O projeto encontra-se fase de andamento em parceria com o Departamento Nacional da Produção Mineral- DNPM (12º Distrito) e das prefeituras municipais de Alta Floresta, Terra Nova do Norte, Paranaíta, entre outras. Esperamos que estes trabalhos tenham , como conseqüência, uma melhor divulgação do potencial mineral do estado.

*Marcos Vinicius de Barros é Geólogo da Companhia Matogrossense de Mineração formado pela UFMT em 1982 – Especialista em Meio – fisico com curso de Aperfeçoamento em Gestão Pública. Membro fundador do Conselho Superior da Fundaçao de Amparo a Pesquisa do Estado de Mato Grosso- FAPEMAT 1991. Professor auxiliar do Departamento de Geologia Geral, (Geotecnia e Hidrogeologia) UFMT 1995. Conselheiro Titular e Coordenador da Câmara de Geologia, Minas e Industrial do CREA/MT.

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...