quarta-feira, 28/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

O poder das emendas parlamentares

Wilson Carlos Soares Fuáh – É Especialista em Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas em Mato Grosso - [email protected]
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

As emendas parlamentares quando não são liberadas tornam-se melhor forma para o governo ver quem está realmente do seu lado, pois o famoso “fogo amigo” são disparados por todos os lados, e quando é liberada, a governabilidade fica mais suave e o mundo político entra do eixo. 

A liberação das emendas é a melhor forma que o governo adota para acalmar os parlamentares, pois sem a liberação delas, o governo passa a ter contra si, uma legião de possíveis oposicionistas momentâneos. Na verdade os parlamentares também utilizam os mecanismos que têm nas mãos na Casa de Leis,  como o sobrestamento de pauta.
              

Será que essas emendas parlamentares deveriam existir?

O princípio legal diz que na definição dos poderes, os parlamentares fazem parte do poder legislativo, mas de posse dos valores das emendas as suas disposições, os políticos entram para o fantástico mundo da magia da transformação, passam a ter o poder de ser um executivo de ocasião e sai por ai executando obras. 
           
Como funciona?
           
O governo negocia os valores para cada parlamentar e este negocia com cada prefeito da sua base, no sentido de aplicar os valores das suas emendas nos municípios que formam a sua base, e os valores são repassados através de Convênios.
          
Mas, a partir da liberação dos recursos, o parlamentar acompanha todo o desenrolar da burocracia para celebração do convênio, onde a prefeitura terá que estar com todas as certidões habilitadas; apresentar os projetos básicos; plano de execução; empenho; assinaturas e publicações no Diário Oficial, até o recurso finalmente cair na conta da prefeitura. É nesse momento exato que ocorre transformação, pois a partir daí, o parlamentar vira realmente um executivo, com capacete de operário e pranchetas de engenheiro, passa a acompanhar a execução do Objeto da obra. 
            
Ao fim da Obra finalmente é chegado o grande momento da inauguração, com o descerramento da placa com festas, discursos e aplausos, mas o objetivo principal do parlamentar é angariar para si, o reconhecimento da população daquele município, que na sua “leitura” serão votos e mais votos que contribuirão para sua possível reeleição, talvez não garantida, pois o futuro só a Deus pertence. 
            
As emendas parlamentares, coloca nas mão do poder executivo, o poder de negociar a liberação dos valores como forma de comprar os parlamentares em troca de favores, o famoso “toma lá da cá” ou “é dando que se recebe”, ou seja, tirará legalmente a possibilidade de contingenciamento de valores consignados aos parlamentares, pois hoje elas são negociadas no varejo os “famosos acordos” em nome governabilidade, excluindo possível fogo amigo. 

O que é uma vergonha, pois o congresso é transformado num grande balcão de negócio. 

Hoje quando essas verbas são liberadas podem até financiar festas e shows, e transforma na verdadeira farra com recursos públicos, esses recursos deveriam ser usados exclusivamente para serem  direcionadas especificamente para segurança, saneamento, saúde e educação, ou seja, o governo teria que colocar ordem no balcão de negócio. 

Enfim, os projetos de leis que eram um medidor das atividades principais dos parlamentares, deixou de ser, e assim, o congresso nacional fica vazio e depois ficam a alardear que o SUPREMO, está legislando demais, mas devemos entender que os “os homens de preto” só decide quando é são provocados. 

Os parlamentares estão mais preocupados em serem os “estafetas de emendas”, e projetos de leis vão ficando no segundo plano.   

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...