quarta-feira, 28/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Inclusão financeira gera prosperidade

João Spenthof é presidente da Central Sicredi Centro Norte e vice-presidente da OCB/MT (Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado de Mato Grosso).
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Em um momento em que a palavra inclusão está presente em diferentes pautas da sociedade, com intuito de promover reflexões para transformações, hoje estamos aqui para mostrar como o cooperativismo de crédito contribui para inclusão financeira no Brasil. Definida como a disponibilidade de serviços financeiros a pessoas e empresas, mais do que abrir uma conta, essa inclusão acontece quando há o acesso efetivo a produtos e serviços, com igualdade de oportunidades entre as pessoas e empreendimentos, e reflete no desenvolvimento local.

É justamente com esse objetivo que o cooperativismo de crédito atua. Com mais de 120 anos de história no Brasil – tendo o Sicredi como pioneiro -, esse modelo de negócio tem as pessoas ao centro. Não visa lucro e sim o desenvolvimento de todos. Os associados são os sócios/donos das cooperativas, participam das decisões e dos resultados, o que traz benefícios à comunidade.

Dados do Banco Central (maio/2023) apontam que o número de pessoas adultas com conta em banco saltou 272% em uma década. Passou de 50,6 milhões em 2012 para 188,3 milhões em 2022. O crescimento reduziu a taxa de desbancarização (de 48% para 16% no período). Apesar do avanço, o desafio é as pessoas usarem os produtos e serviços de forma sustentável. Afinal, ter uma conta em banco não significa que a pessoa contratará crédito, seguro, consórcio ou terá aplicações. Pode até ocorrer o efeito inverso: pela falta de educação financeira, o acesso se transformar em inadimplência, o que não queremos.

Com cerca de 17 milhões de associados no Brasil, as cooperativas de crédito mantêm mais de 9 mil agências. Estão presentes em locais onde as instituições financeiras tradicionais não têm interesse de estar pela distância, falta de infraestrutura e baixo potencial econômico. Características que desafiam e motivam as cooperativas a estarem lá, a abrirem agências, enquanto os bancos fecham pontos de atendimento.

Para se ter uma ideia, o Sicredi está presente em mais de 350 cidades brasileiras com até 5 mil habitantes. Possui agências em 650 municípios com até 10 mil habitantes e está presente em 1.371 cidades com até 50 mil pessoas. São mais de 7 milhões de associados, atendidos por mais de 2,5 mil agências espalhadas por aproximadamente 1,8 mil cidades do País.

Por que fazemos isso? Porque sabemos que o cooperativismo de crédito tem o poder de transformar. O interesse e os efeitos positivos da atuação do Sicredi nas pequenas comunidades foram comprovados em estudos da série Benefícios do Cooperativismo, conduzidos em parceria com a Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) e o pesquisador Juliano Assunção, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), especialista em Microeconomia Aplicada e Desenvolvimento Econômico.

Enquanto bancos tradicionais alegam viabilidade a partir de 8 mil habitantes para abrir uma agência, o Sicredi consegue estabelecer agências em municípios a partir de 2,3 mil habitantes. As cooperativas operaram em cidades com PIB a partir de R$ 79 milhões, enquanto para bancos públicos e privados estabelecem o mínimo de R$ 146 milhões e R$ 220 milhões, respectivamente.

Outro estudo, intitulado de ‘A Efetividade do Cooperativismo’, mostra que a presença física é fundamental para inclusão financeira, de fato. Foi comprovado que o funcionamento de uma agência Sicredi eleva em 25% o acesso a produtos financeiros dos associados em dois anos, em relação a quem não conta com agência na cidade. A pesquisa indicou impactos positivos na melhora do comportamento financeiro, pois enquanto 33% dos associados mantêm recursos na poupança no momento da associação, e 13% em depósitos a prazo, após 10 anos de relacionamento, esses índices passam, respectivamente, para 51,2% e 49,4%.

O perfil dos associados do Sicredi também revela a atuação para o desenvolvimento e a prosperidade. Do total de 7 milhões de associados, 74,5% são pessoas físicas, que somam mais de 5,2 milhões de pessoas. Dessa quantidade, aqueles com renda até R$ 4 mil são maioria (4,064 milhões de associados), cerca de 78% do total. O segmento agro possui mais de 765 mil associados, sendo que 85% deles são da agricultura familiar. No segmento empresarial são cerca de 1 milhão de associados, dos quais 83% são dos portes MEI/Micro e pequenas empresas.

O processo de inclusão é tão importante que faz parte de uma agenda firmada pelo Banco Central na Agenda BC# com as instituições financeiras para ampliar o acesso aos produtos e serviços financeiros por parte dos brasileiros. Diante do nosso vasto território, o BC conta com um esforço e compromisso das cooperativas de crédito para alcançar as metas traçadas, pois temos por vocação e motivação o interesse pelas comunidades menores e bairros desassistidos, para fazer a diferença na vida das pessoas e ajudá-las a prosperar por meio do uso de produtos e serviços financeiros de forma sustentável.

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...