sexta-feira, 23/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Gás cuiabano “descaso”

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O maior investimento dos últimos 20 anos em Mato Grosso, mais de US$ 750 milhões, corre o risco de se perder. O gasoduto e a Termelétrica Pantanal colocaram Cuiabá no mapa mundi do desenvolvimento, sendo o gasoduto importante para Mato Grosso e estratégico para Cuiabá.

Nossa Capital – Cuiabá – é uma cidade com vocação para serviços, tais como educação e saúde, com um contingente expressivo de faculdades e hospitais, com qualidade inegável, e para o turismo é o portão de entrada de turistas do Brasil e do mundo para conhecer nossas maravilhas: o Pantanal, a Floresta Amazônica, o Cerrado, com suas características únicas, Chapada dos Guimarães, Nobres e tantas outras ainda a descobrir.

A disponibilidade do gás em Cuiabá possibilita que nossa Capital concorra com Campo Grande não só para sediar a Copa do Mundo, mas para atrair uma unidade da Petrobrás que será construída no Centro Oeste. E esta cidade, que acaba de completar 290 anos, possui vantagens importantes quando comparada a Campo Grande, desde que tenhamos gás natural.

Com o decisivo apoio dos Governos de Fernando Henrique Cardoso e Dante de Oliveira, foram construídos 700 km de gasoduto e a termelétrica. Basta agora que se atravesse a rua e se construam alguns metros adicionais de gasoduto no Distrito Industrial e na zona urbana para se criar a possibilidade de ampliação de uso do gás natural com a consequente redução de custos nas indústrias, alem da geração de um número muito grande de empregos.

Por que, então, o Governo do Estado não trata o gasoduto e a termelétrica como um projeto estratégico para Cuiabá?

Segundo dados do Ministério das Minas e Energia, o Brasil queima e desperdiça, 8,14 milhões de m³ de gás natural com o desaquecimento da economia, sendo que a termelétrica de Cuiabá precisa de 2,2 milhões de m³/dia para gerar energia limpa, estabilizar e dar confiabilidade ao sistema elétrico que atende a Capital e toda a baixada cuiabana, além de garantir o gás veicular e para as indústrias.

Se esta sobrando gás no Brasil por que não disponibiliza-lo para Cuiabá? O Governo do Estado precisa sair desta inércia em que os projetos estratégicos para Cuiabá têm sido deixados em segundo plano, sistematicamente. A ferrovia não avança, o Bid Pantanal, que possuía recursos para resolver os problemas de esgoto e água tratada de Cuiabá e baixada cuiabana, foi devolvido, perdido, e hoje poderíamos estar utilizando os recursos do PAC para outros avanços na área de saneamento.

O Brasil tem gás sobrando. A empresa que o distribui, a Petrobras, é estatal, e o governador é da base aliada do Presidente da República. Cuiabá precisa do gás natural. Mãos a obra, governador!

Carlos Avalone é 1º suplente de deputado estadual, vice-presidente da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (FIEMT) e diretor do Sindicato das Indústrias de Redes Elétricas de Mato Grosso (Sincremat).

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...