quinta-feira, 22/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

É sempre bom lembrar…

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Recentemente vi o filme "Invictus" (2009), dirigido por Clint Eastwood, em que Morgan Freeman, incorpora Nelson Mandela com perfeição. Belo filme! "Invictus" mostra o apartheid sul-africano, que, para quem ainda não sabe, trata-se do regime de segregação racial adotado legalmente em 1948 pelo agora país da Copa do Mundo 2010.

Portanto, entre um jogo da Copa e outro, assista o filme, que traz informações muito importantes, mesmo nessa hora de torcida. O apartheid manda que os brancos fiquem de um lado, com as regalias das elites, no caso da África do Sul a inglesa; e os negros de outro, marginalizados, entregues à sorte. Esse regime foi abolido, formalmente, em 1990, com a convocação de eleições presidenciais. Mandela, após 27 anos de prisão política, assume a presidência.

Por que o filme "Invictus" é uma boa sugestão em época de Copa?

A dicotomia – que desconstrói a idéia de humanidade em favor da teoria das raças, sendo então possível uma raça ser melhor do que outra – é posta no filme, justamente, por meio do rúgbi e do futebol, sendo o primeiro o jogo dos brancos e o segundo, dos negros.

Quando Mandela assumiu a presidência da África do Sul, a segregação se fazia presente em tudo. Era uma nação dividida e rachada, como se os desiguais não se completassem, como se o yn-yang não fizesse sentido, como se a noite não precisasse da manhã e da tarde para fechar a roldana do dia e como se todos nós não precisássemos uns dos outros nessa grande aldeia global.

Mas Mandela era um obstinado contra o apartheid. Ele reconheceu no coração pulsante dos esportes um caminho para a igualdade e a unidade e entrou neste universo avesso a ele, o rúgbi, sem medo, entendendo que tudo é política, absolutamente tudo.

Ao invés de minar o rúgbi e alçar o futebol ao posto de esporte oficial, investiu nos dois e inspirou o capitão do time de rúgbi, branco, para que conduzisse uma equipe capaz de emocionar não apenas os brancos, mas todos e todas daquele país tão longe, tão perto de nós. Mandiba, como também é chamado com respeito, com isso, juntava sua nação.

Através do filme "Invictus" e de uma cobertura jornalística mais ampla da Copa, fora do campo, é possível refletirmos, agora, sobre tantas coisas! A África como continente-mãe…Mama-África. Nossa origem! Ossadas do primeiro hominídeo foram encontradas na África. A primeira Universidade registrada no mundo ocorreu na África do conhecimento e da sabedoria. Poucos sabem disso. Uma curiosa notícia para quem costuma associar o continente somente com AIDS e miséria. Podemos também pensar sobre a discriminação, inclusive no futebol brasileiro, onde negros foram impedidos de entrar, até que o Vasco da Gama quebrou a regra racista e, com os atletas "de cor" – como era dito à época – conquistou o título carioca de 1923 e, em seguida, o bi, em 1924. É bom pensar também sobre o próprio apartheid, que não acabou totalmente de fato, e a segregação persiste, apesar de Mandela, que, aos 91 anos, resiste na luta da vida. É sempre bom lembrar sobretudo do nosso racismo velado também…

Lembrar que os negros e negras da África, quando foram trazidos para o Brasil, como se fossem bichos, perderam tudo e, o pior, foram forçados a "queimar" a própria identidade, com famílias separadas e os nomes trocados. É por isso que temos tantos José da Silva, Maria Pereira, Roberto de Souza (nomes inventados) e nenhum (ou raríssimos) João Magudulena, Moacir Zama, Paulo Kalyan, Patrícia Phala, Vera Makeba, Ana Mbasogo…Esses sobrenomes, por hora estranhos, seriam bem comuns para nós, brasileiros, se não fosse a estupidez da escravidão e do racismo.

Keka Werneck é jornalista em Cuiabá.

 

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...