quinta-feira, 29/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Curiosidades da eleição

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mauro Savi, atual secretário da Assembleia Legislativa, deve ser o próximo presidente da casa. São 11 os deputados que apoiam o Pedro Taques, se juntar com os 5 eleitos do PR iriam para 16.

Com o apoio do grupo do Taques seria fácil a eleição do Mauro Savi. O PR se contentaria, talvez não queira nem secretarias.

A presidência da AL é muito mais que qualquer secretaria.

Outra confirmação sobre essa aproximação do PR com o Taques é que os dois senadores do partido, Maggi e Wellington, não devem ficar contra o governo dele.

Taques teria uma maioria segura para qualquer enfrentamento. O PSD, com quatro deputados e o PMDB com três, só fariam barulho numa suposta oposição. O único risco para o governo seria ter um terço de deputados contra, número para uma CPI.

Rondonópolis terá três senadores. Blairo, que nasceu politicamente ali, mais Wellington e o suplemente de Taques, José Medeiros. Se, interessantemente, o Wellington não fosse eleito, seria o Rogério Salles, outro da cidade de Rondon.

É sugestivo Rondonópolis ter três senadores e o Nortão, que tem mais votos do que o sul do estado, nunca ter elegido um só nome para o Senado. Nilson Leitão perdeu enorme chance.

Chama a atenção a pequena a votação do Carlos Bezerra em Rondonópolis, lugar em que foi prefeito duas vezes e saiu para governador e senador. Teve 7% dos votos. O Barreto também teve votação pequena, 15%.

Numa demonstração de que outros assumiram as rédeas da política em Rondonópolis, o Sachetti teve ali quase 50% dos votos para deputado federal e lá o Wellington perdeu para o Rogério Salles.

Mais curiosidades? O PT não eleger nenhum deputado estadual tendo um candidato a governador que teve mais de 32% dos votos estaduais.

Outra? O PSD não ficar com nenhum deputado federal.

A conversa de rua é que o Riva grudou na candidatura da filha e deixou que o Chico Daltro e o Eliene se virassem. Não se viraram.

Do plano nacional? O PT tinha 88 deputados federais, caiu para 70. A candidatura Dilma perdeu quase 6% de votos no primeiro turno da eleição de 2010 para a de 2014.

Em São Paulo, se cristalizou uma bronca com o PT e até mesmo ao Lula. A Dilma ficou em terceiro lugar em São Bernardo, onde ele mora.

Perdeu ainda no ‘cinturão vermelho’ de prefeitos do PT, como Mauá, Osasco, Guarulhos, Santo André.

O Aécio ficou com 44% dos votos em S. Paulo, Dilma 25%. Foram mais de quatro milhões de votos na frente.

Essa bronca com o partido em São Paulo pode crescer para o Sul, Sudeste e Centro Oeste.

Se não fosse o Nordeste a coisa ficaria complicada para o PT. Ali tem 51% das pessoas que recebem o Bolsa Família.

O PT não pode, como dizia Tancredo Neves sobre o PDS, ser o partido dos grotões. É tempo de repensar rumos.

Alfredo da Mota Menezes é historiador e articulista político em Cuiabá.

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

O Indizível

Quando menino, a mãe pedia para eu ir ao...

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...