Opinião

Com o cooperativismo de crédito, todos ganham

Na terceira quinta-feira de outubro, é celebrado o Dia Internacional do Cooperativismo de Crédito. A comemoração, que este ano será no dia 19, foi idealizada pelo Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito (World Council of Credit Unions – Woccu, na sigla em inglês) com o objetivo de destacar o papel das cooperativas de crédito como modelo de organização que gera desenvolvimento econômico e social.

Mundialmente, já somos mais de 235 milhões de associados a 68 mil cooperativas, localizadas em 109 países, de seis continentes. No Sistema Financeiro Nacional, a representação das cooperativas vem crescendo. Em algumas regiões, como nas cidades de Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, o percentual de mercado das cooperativas de crédito já atinge cerca de 35%, índice semelhante a países desenvolvidos e com grande tradição cooperativista, como o Canadá.

O desenvolvimento das comunidades é uma das principais características da presença das cooperativas. Estudo do Sistema OCB indica que, nos municípios com a atuação das cooperativas, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é até 10% superior. O modelo utilizado pelas cooperativas de crédito promove o equilíbrio do mercado, fazendo com que todos ganhem, mesmo os que não são associados. Em 2016, por exemplo, nos 15 municípios de Mato Grosso que compõem a área de atuação da Sicredi Ouro Verde MT, cerca de R$130 milhões foram mantidos na região, graças à existência da cooperativa. Este número considera os resultados que retornam diretamente aos associados, como o pagamento de juros ao capital investido e a distribuição dos resultados, além da economia gerada nas operações efetuadas na cooperativa (como o uso de cartões, consórcio, cheque especial e taxas de crédito), em comparação com as taxas médias praticadas pelos maiores bancos nacionais.

Os avanços conquistados pelo cooperativismo de crédito nos últimos anos, com as regulamentações pelo Banco Central, impulsionaram o crescimento das cooperativas com solidez. Entre estes avanços, podemos destacar a livre admissão, que permitiu a abertura das portas das cooperativas de crédito para todos os associados – sejam pessoas físicas ou jurídicas – que desejam se integrar a este modelo de negócio. O FGCoop, Fundo Garantidor semelhante ao mantido pelos bancos, proporcionou maior segurança aos depósitos feitos pelos associados, e os modelos de governança corporativa, especialmente o adotado pelo Sistema Sicredi, propiciam uma gestão democrática e transparente.

Mas além de investirem no desenvolvimento econômico, as cooperativas de crédito  têm em sua missão agregar qualidade de vida. Nós somos uma entidade de pessoas, que colocam as pessoas a frente dos lucros, e assim contribuímos para o desenvolvimento social de toda a nossa comunidade. Neste mundo capitalista e excludente, as cooperativas de crédito são uma grande alternativa para a inclusão financeira e social. Por isso, neste Dia Internacional do Cooperativismo, queremos estender a mão e dizer, vamos caminhar juntos para desenvolvermos uma sociedade mais justa, mais fraterna e mais humana.

Eledir Pedro Techio é presidente da cooperativa Sicredi Ouro Verde MT