quarta-feira, 28/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Cidadania e Passividade…

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Cidadania, assunto de culto, coisa semelhante à liturgia. E para que lado pende a sua balança: proclamação ou exercício? Os seus livros de contabilidade convivem, à semelhança de outros entes, com passivos e ativos. Déficits e superávits são questões consignadas pela existência. O balanço da alma registra…

Não obstante receber os afagos nas trincheiras do "politicamente correto", ainda pode ter uma longa estrada a percorrer. A neblina ofusca o diagnóstico preciso…

A visão descortina o império da reflexão e da consciência. Aí estão o seu território e a sua moradia. E, quando reflexão e consciência se projetam no meio social, com força própria, erigem-se em poderoso instrumento de transformação.

Não está imune, entretanto, a impugnações ou sacolejos. E nem impermeabilizada da influência deletéria da propaganda, da manipulação, da falsa informação, das distorções a serviço de uma dada ideologia e de interesses escusos e subliminares. Todavia, a mais consistente impugnação parece brotar da própria alma: a ignorância, a desinformação, a alienação, o comodismo ou o fisiologismo. Cada um em seu alojamento próprio…

Os tempos modernos facilitam a desagregação social. Engrenagens que lidam com as massas são acionadas obstando a sua caminhada. Compartimentos com função social, em vez de se associarem à cultura, à informação, à educação, ao lazer, como forma superior do conhecimento, incursionam por outras veredas…

As exceções o que mais fazem é confirmar a regra.

Uma sociedade que não esteja minimamente fundada em determinados valores tende a desaparecer, consumida pela desagregação.

Quais seriam esses valores?

A sinceridade, a honestidade, o sucesso escorado no mérito, a hierarquia, o respeito à vida, à tolerância étnica, religiosa e a um modo especial de existência. Agenda minimalista da deontologia…

Já a magnanimidade, a generosidade, o espírito altruísta e a solidariedade são bens não operacionais, porém podem ser conquistados pelo entusiasmo de uma pedagogia cultural, apoiados pelos rituais institucionais, educacionais e religiosos. Certos avanços somente podem ser obtidos pelo desdobramento espiritual, tanto dos agentes ativos, como dos passivos.

A cidadania plena traz, necessariamente, a exigência de vincular as suas ações aos interesses da "polis".

A política, quando praticada com respaldo da sensibilidade e da inteligência, pode, certamente, amenizar ou corrigir problemas ou recolocar as coisas nos trilhos…

Assim deve ser considerada, deslocando o nível da sua eficiência, de modo a promover o bem comum e a redução das desigualdades, minimizando sobremaneira os contrastes econômicos e sociais, notoriamente aberrantes. As pessoas, então, teriam razão para acreditar no Estado, nos seus agentes, para terem, em sua prática diária, reforçada a sua responsabilidade moral.

Esses são espaços a serem preenchidos pela cidadania. Os empreendimentos por uma reforma política que contemple o exercício dos mandatos eletivos como "missão", e não como "profissão", seriam muito bem vindos. Dever-se-ia trabalhar pela aproximação da representação aos representados e pela formação de partidos políticos verdadeiramente ideológicos, comprometidos com uma visão de mundo clara e abrangente, e não com interesses paroquiais…

Nos ambientes sociais, salutar seria a pedagogia do respeito às minorias, sejam as étnicas, sejam as que propugnam, por inclinação, um modo diferenciado de existir.

Essas são premissas básicas a nortear a cidadania, a meu ver. Compreensível que ela não exista sem empenho, sem luta e sem organização. Individualmente, seria muito difícil fazê-la produto de uma energia superior, ou do super-homem de Nietzsche… As suas chamas devem se formar nos recintos da sociedade, nos agrupamentos: igrejas, escolas, universidades, sindicatos, associações e organismos de classe.

Esses entes poderiam ser os seus pilares…, agentes da revolução cultural, cujo objetivo seria acertar os ponteiros com a civilização e com a História! E, em última instância, com a nossa liberdade!

Urge trabalhar pela harmonia social. Estamos todos no mesmo barco. Ou consertamos as coisas ou o mundo desanda. Excluídos e marginalizados devem encontrar, em cada um nós, um soldado da sua emancipação, do seu encontro com a dignidade e com a normalidade da vida.

A guerra de todos contra todos pode servir à vaidade teórica de Thomas Hobbes, mas não serve à causa da humanidade. Haveremos de buscar outra essência para o ser humano que não a desse discutível projeto intelectual.

A violência, também, é fruto de certos ambientes culturais segregados, que a edificam e propagam. Tenhamos consciência desse fato! Difundir a descrença pode contribuir para a causa dos seus agentes, porém, depois, reconstruir e amalgamar os cacos não será tarefa fácil, até porque não temos como ressuscitar Confúcio e trazê-lo para outro ambiente… A menos que esteja disposto a dar férias à eternidade.

Márcio Florestan Berestinas – promotor de Justiça das Comarcas de Alto Araguaia. Exerceu o cargo de Procurador Jurídico do Município de São Paulo.

 

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...