quinta-feira, 22/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

A ferrovia que Dilma prometeu ao Centro-Oeste

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O plenário estava cheio de produtores locais, políticos da região, prefeitos e parlamentares, com a Senadora Serys (PT-MT), o governador Blairo Maggi, o ministro interino da Pasta de Trnasportes Paulo Sergio Passos, o vice de Blairo, Silval Barbosa, também candidato ao governo, o representante do estado vizinho Goiás, o dep. Federal Wellington Fagundes, vários deputados estaduais, como Ademir Brunetto (PT-MT) e muitas lideranças de associações de produtores, além de representantes do BNDES e da VALEC, estatal projetista e executora de ferrovias.  O “dono” da festa era, no entanto, Luiz Antonio Pagot, diretor geral do DNIT, Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (ex-DNER) a quem se homenageava por ser a pessoa que muito batalhara em Brasília, fora e dentro do seu cargo, para colocar o Mato Grosso no mapa da expansão dos modais nacionais de transporte.

A ministra e pré-candidata Dilma Roussef tinha agendado e confirmado presença. Seria a chave-de-ouro do encontro. No entanto, convocada a cumprir agenda do presidente Lula, que estava em visita a Israel, Dilma não compareceu, enviando, não obstante, um recado através de Blairo Maggi, que despertaria o aplauso mais caloroso da manhã: a ferrovia do Centro-Oeste vai entrar na lista prioritária do PAC 2.

O significado dessa promessa é enorme para a região produtora de grãos de todo o norte do Mato Grosso. Lá se produzem hoje, anualmente, cerca de 18 milhões de toneladas de soja (1/3 do total nacional) e 9 milhões de milho. A projeção é de um crescimento de 50% para a soja e de quase 100% para o milho no período da próxima década. Tais projeções não levam em conta o impacto da ferrovia como fomentadora da produção de outros produtos agrícolas, bio-combustíveis, insumos, minerais e produtos manufaturados, além, claro, de transporte de pessoas. Para quem está preocupado com o desmatamento uma boa notícia: a maior parte do crescimento derivará de aumentos de produtividade e não de expansão de área, sendo que uma parte desta, será por conversão de extensas terras de pastagem para as lavouras.

 O progresso a ser trazido pela nova ferrovia não se mede apenas pela significativa redução do custo de transporte até os portos do centro-sul do País, que lá do norte do Mato Grosso chega a comer quase 40% do valor da safra, reduzindo a zero a rentabilidade de uma produção altamente tecnificada, que mereceria um prêmio por sua qualidade e eficiência. O retorno hoje, vai embora de caminhão, poluindo mais de 2000 km, por estradas esburacadas, provocando mortes aos milhares, quase um genocídio, e espalhando o produto às margens do asfalto até chegar num porto congestionado, atrapalhando São Paulo e a vida dos paulistas.

Vai mudar. Com a Ferrovia do Centro-Oeste – 1000km de trilhos que ligarão Lucas do rio Verde a Campinorte, na Ferrovia Norte-Sul , que Lula quer concluir até o fim do ano 2010, ( parece mentira, mas vai sair!)  –  os produtos do mato Grosso poderão ser exportados pelos portos do norte do País, o que é muito mais racional e, óbvio, mais barato.

Dilma não conseguiu chegar a Lucas, para o lançamento da Ferrovia, mas sua mensagem de esperança e determinação chegou até lá. A construção da Ferrovia do Centro-Oeste já tem parceiros de fé: na reunião se lançou a ideia de os produtores utilizarem uma parte das futuras economias em custo de transporte para investir na ferrovia, tornando-se sócios e eventuais operadores da via, de modo a garantir sua eficiência operacional. Se isso acontecer, é sinal de que um novo Brasil está de fato surgindo.  

 Paulo Rabello de Castro é doutor em macroeconomia

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...