Geral

Polícia Federal prende presidente de sindicato do INSS por suspeita de fraude

A presidente do Sinsera (um sindicato dos auditores fiscais do INSS), a auditora Maria Auxiliadora de Vasconcellos, foi presa na manhã de hoje sob acusação de corrupção passiva.

Ela estaria envolvida em esquema de fraudes desbaratado pela Polícia Federal em fevereiro deste ano na chamada “Operação Ajuste Fiscal”, que investiga o desvio de até R$ 3 bilhões da Previdência.

A prisão da presidente do sindicato, em caráter preventivo, foi feita a pedido do Ministério Público Federal e ficou a cargo de força-tarefa composta por membros do próprio órgão, do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) e da Polícia Federal, numa operação denominada “Sinceridade”.

A força-tarefa também realizou buscas e apreensões de documentos na casa da auditora e no sindicato.

Segundo denúncia oferecida pelo Ministério Público, o sindicato estabelecia contatos com a Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) para saber quais as empresas estariam dispostas a pagar propinas a auditores fiscais para não serem fiscalizadas.

Auxiliadora começou a ser investigada após os resultados de escuta telefônica que identificou o esquema de corrupção. De acordo com o Ministério Público, a presidente do sindicato é acusada de fornecer suporte a 13 fiscais do INSS presos em fevereiro.

A quadrilha enganava empresários apresentando a eles cobranças de dívidas muito maiores do que aquelas que realmente existiam. Depois, os auditores negociavam com empresários a suspensão desses débitos em troca de dinheiro.

Além disso, os auditores envolvidos na fraude são suspeitos de deixar de cobrar dívidas acima das existentes no banco de dados do INSS para receber dinheiro dos empresários.

De acordo com a Receita, a movimentação financeira da auditora não seria compatível com seus vencimentos. Entre os bens registrados, estão 10 imóveis e três carros, sendo dois importados.

Outro lado

A Firjan, que teria funcionários envolvidos nas fraudes, deve apresentar sua versão das supostas irregularidades em entrevista marcada para as 14h30 no Rio de Janeiro.