Geral

Nortão: prefeitura suspende transporte escolar e mais de 150 estudantes ficam sem ter como ir à escola

A prefeitura de Colíder (157 quilômetros de Sinop) retirou os ônibus que faziam o transporte dos alunos das três escolas rurais, Café Norte, Nova Galileia e Palmital, no período matutino, com isso, desde a última quinta-feira, quando iniciou o período letivo, cerca de 150 alunos estão sem ter como ir à aula. A comunidade montou uma comissão para tratar do assunto junto ao município. O presidente Euler Borges, informou, ao Só Notícias, o problema começou no final do ano passado.

“Alegando que houve uma diminuição do número de alunos, a Secretaria Municipal de Educação chamou as três escolas rurais e propôs a unificação de turno. No entanto, as escolas não possuem estrutura física que comporte todas as turmas em um único período. Foram iniciados debates e chegou a conclusão, no final de 2017, da não possibilidade de unificação. Mas, mesmo assim, iniciou o ano letivo e a secretaria retirou o turno matutino. Com isso, cerca de 150 alunos estão fora das salas de aula”, declarou presidente.

Euler disse ainda que foi protocolado em nome da comissão um documento no Ministério Público. “O promotor chamou as partes para uma conversa, ontem à tarde, para ver se havia uma conciliação sem necessidade de abertura de inquérito, mas, infelizmente a prefeitura decidiu manter o posicionamento e apenas um turno do transporte. Devido as três escolas serem estaduais eles (prefeitura) informam que a responsabilidade não seria do município. No entanto, existe uma instrução normativa que é bem clara quanto a isso, o Estado faz um repasse anualmente para o município e a contrapartida é o fornecimento do transporte escolar”, finalizou.

Outro lado

Por telefone a secretária de Educação, Teresa Mangolin, informou, ao Só Notícias, que colocaram três técnicos para fazer o levantamento e contagem dos alunos que utilizam essas três linhas, nos dois períodos. “Chegamos a conclusão que o ônibus estava trafegando, às vezes até 100 km, com um número de estudantes bem abaixo de sua capacidade. Por essa razão, compreendemos que a unificação atende com seguridade e conforto todos os alunos”.

Quanto a reclamação da comissão que as escolas não tem estrutura para unificar, a secretária disse que passa ser responsabilidade da Secretaria Estadual de Educação (Seduc). “Hoje o prefeito Noboru Tomiyoshi falou com secretario estadual de Educação, Marco Marrafom, que se comprometeu em estudar e dar encaminhamentos a situação”, finalizou.

(Atualizada às 11h35)