Geral

Negado habeas corpus para integrantes da ‘maçonaria feminina’ em Mato Grosso

Três acusados de praticar um golpe contra cerca de 100 mulheres (entre elas juízas, professoras universitárias, dentistas, médicas, promotoras e delegadas) tiveram o pedido de habeas corpus negado pela 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso. A grã-mestre Gassi Botelho Martinez, Márcia Costa de Souza e Alexandre Botelho Martinez, são acusados de criar uma entidade denominada “Grande Loja Feminina da Maçonaria” e por meio desta instituição dar o golpe em pelo menos 100 mulheres.

Segundo o jornal A Gazeta, a defesa de um grupo de magistradas lesadas pela entidade ingressou na Justiça, ano passado, pedindo a prisão dos três. O desembargador Omar Rodrigues de Almeida concedeu liminarmente o habeas corpus preventivo. Esta semana, o relator do processo, Carlos Roberto Pinheiro, e os desembargadores Manoel Ornelas de Almeida e Paulo Cunha, no julgamento do mérito, negaram o pedido. Sem o HC os três podem ser presos por estelionato, falsidade ideológica e formação de quadrilha.

A advogado Eduardo Mahon, que faz a defesa de quatro vítimas do golpe, ingressou na Justiça com uma cautelar de exibição de documentos e suspensão das atividades da entidade. A Justiça determinou busca e apreensão na residência e na sede onde funcionava a maçonaria feminina. Ele ainda vai entrar na Justiça com uma ação de indenização por danos morais, pedindo inclusive a devolução dos valores cobrados pela grã-mestre às iniciadas.

Criada em 2002, a Maçonaria Feminina tinha três lojas funcionando na Capital. A entidade tem registro no Cartório do 1º Ofício de Cuiabá, como associação. A suspeita é que os rituais repassados à Maçonaria Feminina tenham sido usurpados por membros da Maçonaria Masculina e entregue às mulheres.

Nenhuma das três potências maçônicas de Mato Grosso -Grande Oriente do Brasil, Grande Oriente do Estado de Mato Grosso e Grandes Lojas -reconhecem a Grande Loja Feminina da Maçonaria Brasileira do Estado de Mato Grosso.