Geral

Justiça marca júri do acusado de atirar na namorada e sequestrar o pai em Sinop

A 1ª Vara Criminal de Sinop marcou o julgamento do principal suspeito de atirar em Kelly Cristina Hawerroth, 24 anos, em julho do ano passado, em uma residência no Jardim das Violetas. O réu, que ainda teria feito o próprio pai de refém, durante a fuga, vai a júri popular no dia 21 de agosto.

Em julgamento, ele responderá por tentativa de homicídio, com quatro qualificadoras: motivo torpe, perigo comum, mediante recurso que dificultou a defesa da vítima e contra a mulher por razões de gênero (violência doméstica). Em caso de condenação, a pena também poderá ser aumentada em até um terço, uma vez que o crime teria sido cometido na presença da mãe da vítima. O acusado ainda responderá pelo sequestro do pai.

Em depoimento, a vítima afirmou que teve um relacionamento com o suspeito e que ele não aceitava o término, passando a “imaginar coisas” e “importuná-la com frequência, querendo sempre saber onde estava”. Segundo sua versão, no dia 17 de julho, o rapaz foi até a residência e pediu para falar com ela. A vítima disse que sem “falar nada”, e nem mesmo descer da motocicleta, o réu atirou e, em seguida, fugiu. Consta no depoimento que o projétil  bateu no portão da casa e, na sequência, acertou próximo ao coração da vítima.

O acusado, por outro lado, justificou que disparou o revólver sem querer. Ele alegou, em depoimento, que, “no calor das emoções”, sacou a arma apenas para “dar um susto na vítima”, após ver mensagens no celular dela. O homem afirmou ainda que estava sob efeito de entorpecente e se arrependeu do que fez. Declarou  também que chamou o pai para se entregar na delegacia, contudo, no caminho foram interceptados pela Polícia Militar. Admitiu também que portava uma faca, mas garantiu que não havia ameaçado o pai.

Em alegações finais no processo, a defesa pediu a impronúncia do suspeito, para que não fosse a júri popular. Ainda solicitou a desclassificação do crime de tentativa de homicídio para lesão corporal ou afastamento das qualificadoras. Os pedidos não foram aceitos pela juíza da 1ª Vara Criminal, Rosângela Zacarkim, que manteve os termos da denúncia apresentada pelo Ministério Público Estadual (MPE).

Na ocasião, a magistrada também negou a soltura do réu. Desta forma, o rapaz de 25 anos segue no presídio Osvaldo Florentino Leite, o “Ferrugem”.

Só Notícias/Herbert de Souza (foto: Só Notícias/arquivo)