Geral

Justiça encerra instrução processual de caso de estudante assassinada em Sinop

A Justiça encerrou a fase de instrução do processo que apura o assassinato da estudante  Rurye Perossi Yusseff, 16 anos. O crime ocorreu em setembro de 2016, quando a jovem estava com um grupo de amigos em um local conhecido como “Beco”, no bairro Recanto Suíço. Ela foi atingida por um tiro na cabeça e morreu na hora.

Com o encerramento da instrução, foi aberto prazo para apresentação dos memoriais, última manifestação das partes no processo. Após os memoriais do Ministério Público, será a vez dos advogados apresentarem as alegações finais. Somente depois disso é que a Justiça decidirá se pronuncia (manda para júri popular) ou não, os réus.

Um escrivão da Polícia Civil e o primo dele são os principais suspeitos de assassinarem Rurye. Segundo as investigações feitas pela Corregedoria, o tiro que matou a jovem saiu de um lote de munições vendido na totalidade para a Secretaria Estadual de Segurança Pública (SESP). Entre os servidores que receberam as munições do lote está o policial civil.

De acordo com a Corregedoria, exatamente um mês após o homicídio, o escrivão registrou um boletim de ocorrência relatando que teve a arma furtada. Por meio de quebra de sigilo telefônico, o órgão investigador descobriu, no entanto, que, no dia do crime, o policial esteve nas proximidades do local onde a jovem foi assassinada.

A Corregedoria da Polícia Civil também relatou, com base no depoimento de testemunhas, que o escrivão estava em companhia de um primo, que teria se envolvido em uma confusão no local. Segundo essa linha de investigação, o rapaz teria entrado em um veículo sem a permissão do proprietário. O dono do carro e o primo do policial teriam iniciado uma discussão verbal, que, por pouco, não evoluiu para agressões físicas.

O proprietário desse carro disse em depoimento que foi até o “Beco” para conhecer Rurye, com quem teria trocado mensagens anteriormente. No entanto, não chegou a conversar com a jovem, pois, quando se dirigia para o local combinado, “os disparos de arma de fogo que causaram a morte dela foram efetuados”.

A Corregedoria relatou no processo que recebeu uma denúncia anônima apontando o escrivão como autor do disparo que matou Rurye. Testemunhas relataram que o policial e o primo “estavam sob o efeito de bebidas alcoólicas e aparentavam estar bastante alterados”. Também contaram que os dois estavam em um VW Gol Branco e, durante as investigações, a Corregedoria conseguiu localizar um veículo com as mesmas características e que pertencia ao pai do primo do escrivão.

Em nota, a assessoria da Polícia Civil informou, na época, que “as investigações apontam que a jovem não era alvo do atirador e a motivação do crime está relacionada a desentendimento ocorrido momentos antes do crime”. Segundo a assessoria, “o escrivão e seu primo saíram do local e retornaram depois. O  escrivão, por se encontrar em estado de embriaguez, e querendo se vingar ou intimidar o grupo do rapaz com quem se desentendeu, realizou disparos e um dos tiros atingiu a jovem Rurye”.

O policial e o primo acabaram presos em maio de 2018. Um mês depois, porém, o desembargador determinou a soltura do escrivão, por entender que possuía “predicados pessoais favoráveis”. Cumprindo medidas cautelares, ele foi transferido para Cuiabá e segue trabalhando na Polícia Civil. O primo dele também foi colocado em liberdade, posteriormente.

Conforme Só Notícias já informou, a adolescente era natural de São Paulo (SP) e estudava em um colégio particular em Sinop.

Só Notícias/Herbert de Souza (foto: Só Notícias/Guilherme Araújo)