Geral

Júri condena um e absolve dois por assassinato de jovem em Sinop

Luiz Santos Vieira, 28 anos, foi condenado a quatro anos de reclusão pelo assassinato de Matheus Martines Modanesse, 19 anos. O crime ocorreu em maio de 2015, no bairro Jardim Maria Carolina. A vítima foi atingida por diversas facadas, após ser suspeita de assassinar, momentos antes, Maurício Santos Vieira, 25 anos.

Nesta quinta-feira, o réu e mais outros dois acusados foram submetidos a júri popular pelo homicídio. No entanto, para os jurados, apenas Luiz teve envolvimento na morte de Matheus. O júri ainda reconheceu o crime como sendo homicídio simples privilegiado.

Com a decisão do conselho, a juíza Rosângela Zacarkim, da 1ª Vara Criminal, proferiu a sentença condenatória e determinou que a pena seja cumprida em regime aberto. Ainda cabe recurso contra a sentença.

Luiz e os outros dois denunciados pelo crime estavam soltos, desde o ano passado. Eles foram presos em fevereiro de 2016 e a decisão de soltá-los se deu após o cancelamento do júri popular, que estava marcado para o dia 16 de agosto de 2018.

Dois assassinatos foram registrados com intervalo de pouco tempo. O primeiro ocorreu próximo a uma lanchonete, no Jardim das Oliveiras. Maurício Santos Vieira, 25 anos, foi esfaqueado no pescoço e não resistiu. O segundo ocorreu momentos depois, no bairro Jardim Maria Carolina, a menos de 900 metros do local onde foi registrado o homicídio anterior. Matheus foi atingido por mais de dez facadas. O corpo foi localizado em um terreno.

De acordo com o boletim de ocorrência, feito pela Polícia Militar, duas testemunhas disseram ter presenciado toda a situação. Elas relataram que estavam em uma lanchonete quando Maurício entrou em atrito verbal com algumas pessoas, que chegaram em um veículo.

Segundo esta versão, ao retornar para sua mesa, Matheus teria puxado uma faca e desferido o golpe no pescoço de Maurício. Em seguida, correu sentido Perimetral Norte. No entanto, foi alcançado e morto.

Só Notícias/Herbert de Souza (foto: Só Notícias/Guilherme Araújo/arquivo)