Geral

Correios confirmam encerramento de banco postal em agências de MT por questões econômicas

A Empresa Brasileira de Correios, Telégrafos e Serviços Postais confirmou, ao Só Notícias, que os serviços de banco postal serão encerrados em diversas agências de Mato Grosso. Segundo a assessoria, os altos custos inviabilizam a manutenção. “Com o aumento das decisões judiciais que obrigam a empresa a adotar ações de segurança adicionais às previstas para correspondentes bancários, os Correios se veem obrigados a interromper os serviços em algumas agências”.

A empresa não divulgou quais agências terão os serviços encerrados. No entanto, de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Correios, Telégrafos e Serviços Postais (Sintect), a partir do dia 11 de outubro, a medida será aplicada nos municípios de Alto Araguaia, Barra do Garças, Campo Verde, Cuiabá, Dom Aquino, General Carneiro, Jaciara, Juscimeira, Lucas do Rio Verde, Poconé, Primavera do Leste, Rondonópolis, São Jose dos Quatro Marcos, Sinop e Várzea Grande.

De acordo com o presidente do Sintect, Edmar Leite, ao final do cronograma de retirada, poucas ainda prestarão o serviço no Estado. “Das 137 agências, quase todas terão os serviços retirados. Ao final, permanecerá só três”, informou, ao Só Notícias. A assessoria, por outro lado, ressaltou que os demais serviços dos Correios “continuarão a ser prestados normalmente”.

Conforme Só Notícias já informou, os trabalhadores dos Correios entraram em greve na última terça-feira. De acordo com Edmar Leite, apenas 30% dos funcionários da estatal continuarão trabalhando. A assessoria da empresa, contudo, divulgou uma nota afirmando que a paralisação é parcial e não afeta os atendimentos.

A categoria cobra reajuste de remuneração de 8% e R$ 300 de acréscimo linear aos salários. Os trabalhadores ainda são contrários às reformas trabalhista e da Previdência. “A empresa, além de não atender as reivindicações, retira cláusulas do nosso acordo coletivo e direitos dos trabalhadores. Propõe a supressão do concurso público e não recua na retirada de agências em Mato Grosso. Isso tudo faz parte de uma estratégia que visa a privatização”, garante o presidente do sindicato.

No total, trabalham nos Correios em Mato Grosso 1.550 profissionais. O sindicato alega que há um déficit no quadro funcional e que a empresa deveria empregar, no mínimo, 2.300 trabalhadores para dar conta da demanda no Estado.