Geral

Caminhoneiros de Mato Grosso estão parados em atoleiros na BR-163 no Pará

Centenas de caminhões, carretas e veículos estão parados há mais de quatro dias em um trecho de pelo menos 10 quilômetros da rodovia federal, sem asfalto, entre as regiões de Novo Progresso e Moraes Almeida, no Pará (695 quilômetros de Sinop). Um caminhoneiro informou, há pouco, ao Só Notícias, que saiu “na sexta-feira de Sinop carregado e está parado em uma fila que já ultrapassa os 40 quilômetros. Todo ano é essa mesma situação. Devido as chuvas dos últimos dias, os caminhões não conseguem subir uma serra e precisam ser puxados. Por isso, o Exército paralisou o tráfego para não piorar ainda mais a situação”.

De acordo com o boletim diário do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), a interdição é na Serra da Anita devido ao tempo chuvoso. A trafegabilidade está totalmente interditada em ambos sentidos. Está manhã, sentido Sinop passaram 61 carretas com 9 eixos, 10 carretas com 7 eixos e 17 caminhões. Já no sentido Pará passaram 56 carretas com 9 eixos, 6 carretas com 7 eixos e 4 caminhões.

Em Riozinho, no Pará, o tempo chuvoso, com trafegabilidade parcialmente interditada. Fluxo parado no sentido norte. Passaram 18 carretas com 9 eixos, 7 carretas com 7 eixos e 6 caminhões. E no sentido sul passaram 242 carretas com 9 eixos, 39 carretas com 7 eixos e 12 caminhões. Na Serra do Moraes, tempo seco, com trafegabilidade totalmente interditada nos dois lados. No sentido norte passaram 75 carretas com 9 eixos, 35 carretas com 7 eixos e 11 caminhões. Já no sentido sul, passaram 69 carretas com 9 eixos, 22 carretas com 7 eixos e 8 caminhões. Fila de 8 km no sentido norte e 5 km no sentido sul.

A inspeção diária da BR-163, no Pará,  é uma estratégia integrada para escoamento da safra 2018/2019 e faz parte do conjunto de medidas definidas pelo Ministério da Infraestrutura e DNIT, em parceria com o Exército Brasileiro. A operação, que teve início no dia 2 de dezembro de 2018 e segue até maio de 2019, traz uma série de ações, como a instalação de bases operacionais em três trechos da BR (pontos críticos), localizados entre os municípios de Novo Progresso e Moraes Almeida; mobilização de mais de 900 pessoas de equipes do DNIT e do Exército; implantação de sinalização específica para controle do tráfego, e envio de mais de 40 veículos e equipamentos especiais.

Dos 707,4 quilômetros da rodovia federal localizados desde a divisa com Mato Grosso até a entrada para o Porto de Miritituba, 658 quilômetros já foram pavimentados pelo DNIT. Os quase 49 quilômetros a serem asfaltados estão divididos em dois lotes de obras, sendo 3 km ao sul da Vila do Caracol e 46 km sob responsabilidade do Exército perto de Moraes Almeida.

O trecho que foi mais afetado pelas chuvas, próximo à Vila do Caracol, que estava em leito natural, hoje está com os serviços de terraplenagem e drenagem realizados e de pavimentação em execução, o que elevou o nível da rodovia. Somente entre junho e outubro de 2018 já foram pavimentados mais de 33 quilômetros, e o objetivo principal da Autarquia é concluir 100% ainda em 2019. Com o avanço físico das obras neste trecho agora restam apenas sete quilômetros, que receberá as camadas finais de pavimentação e o pavimento asfáltico.

O maior tráfego da rodovia é de carretas que saem de Mato Grosso levando grãos até o porto de Miritituba. Em fevereiro do ano passado, alguns motoristas chegaram a ficar sem água para beber e preparar a alimentação após ficarem parados com carretas e caminhões carregados por mais de uma semana, em um trecho de pelo menos 50 quilômetros na rodovia federal, nas proximidades da comunidade Riozinho, cerca de 22 quilômetros de Morais Almeida, no Pará.

 

Só Notícias/Cleber Romero (fotos: divulgação)