Geral

Acordo pode resolver impasse com sem-terra em Sorriso

“Era uma simples invasão para chamar a atenção das autoridades do município sobre a situação de muitas famílias que não tinham realmente como pagar o aluguel e que acabou como uma questão jurídica”.

Com este resumo, o presidente da Associação dos Moradores do Bairro Boa Esperança II, Reginaldo de Souza Oliveira, buscou encerrar “parece” que definitivamente uma invasão ocorrida a uma área de 3,5 hectares de propriedade de Nilo Perim (Chacrinha), há aproximadamente 90 dias junto ao Bairro Boa Esperança em Sorriso.

Com a decisão judicial de reintegração de posse em favor do proprietário, os “sem teto” montaram suas barracas na frente do terreno na marginal da estrada onde permaneceram até este momento em que se chega a uma conclusão favorável para todas as partes.

Para a Administração Municipal, que vivia aquele impasse, para o proprietário, que imaginava a qualquer momento nova invasão e para os “sem teto”, que viram “uma luz no fundo do túnel” após a reunião que definiu de vez a situação.

A Administração de Sorriso vai intermediar a compra do terreno, junto ao Banco do Brasil, e dentro de trinta dias deverá entregar para 130 famílias, os terrenos “cortados”, com água e luz. A construção das casas ficará por conta de cada uma das famílias, que pagarão 30 parcelas de R$ 128.00 mensais.

“Agora estamos fazendo um novo cadastro para verificar realmente quem tem condições de pagar este valor para evitar a inadimplência, afinal de contas este é o sonho da casa própria que vira realidade”, finalizou o líder dos “sem teto”.