segunda-feira, 26/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Presidente do União diz que clube foi extorquido pela FMF

PUBLICIDADE

O relacionamento entre a diretoria do União de Rondonópolis e o presdiente da Federação Mato-grossense de Futebol Carlos Orione está cada vez mais estreito. O presidente do União, o executivo Pedro Jacir Bongiolo, se mostrou indignado com a punição de R$ 10 mil do TJD. Ele afirmou que a multa aplicada na segunda-feira “é uma forma da FMF extorquir os cofres do Colorado”.

“Parece-me que a federação está querendo fazer caixinha com o dinheiro do União. É cinco mil aqui, é cinco mil ali, assim não dá”, reclamou o dirigente ao jornal A Gazeta.

Ele ressaltou que, na verdade, o julgamento aconteceu há muito tempo, pois o depósito antecipado do cheque caução -pessoal de Pedro Jacir – no valor de R$ 5 mil apontaria à punição mais severa, dobrando o valor da primeira instância. Diante do fato, prossegue o dirigente, “a entidade que comanda o futebol mato-grossense só faz isso pelo fato do União ser um clube estruturado.”

“Fomos punidos por causa de um simples cadeado. Quanto a confusão no jogo diante do Operário, o TJD nos livrou, nos inocentou. Qual outro estádio do interior do Estado oferece tanta segurança ?, nenhum ! Nos puniram só porque querem nos extorquir”, afirmou o presidente.

O dirigente disse esperar do presidente da FMF Carlos Orione uma retratação sobre o caso. De acordo com Pedro Jacir, ele só deu o seu cheque pessoal de R$ 5 mil como garantia, confiando na integridade e honestidade da diretoria da federação. “Tenho uma consideração muito grande pelo Orione por tudo que ele construiu em prol do futebol do Estado. Por outro lado, estou triste pelo que vem acontecendo”.

COMPARTILHE:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias
Relacionadas

PUBLICIDADE