Educação

Unemat começa analisar possibilidade de ofertar aulas por meio de Ensino a Distância

A Universidade do Estado de Mato Grosso está analisando a possibilidade técnica, operacional e orçamentária de retomada das aulas por meio de ferramenta que viabilize o ensino a distância. A possibilidade de utilização de recursos foi discutida pelos gestores da Unemat dos 13 campus, em reunião realizada na semana passada,  por vídeo conferência. As atividades na instituição estão suspensas desde os dia 17 de março e foram prorrogadas pelo governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, até o dia 30 deste mês através de um novo decreto, como medida de prevenção ao novo Coronavírus.

Internamente na universidade, desde que as atividades presenciais da graduação e pós-graduação foram suspensas, surgiram propostas de continuidade de cursos e disciplinas por meio de ferramentas, plataformas digitais ou aplicativos de comunicação, como uma das possíveis formas de dar continuidade ao ensino de graduação.

A gestão da Unemat entende que essa mudança não pode ocorrer de forma imediata, sem avaliar as condições mínimas para garantir a oferta de ensino de qualidade, de maneira ampla e democrática, sem prejudicar os mais de 21 mil acadêmicos matriculados nos 13 câmpus e 32 núcleos pedagógicos e polos de Educação a Distância da instituição. “As soluções tecnológicas devem ser consideradas emergenciais, já que não darão conta de atender à diversidade de nossos estudantes, assim como às atribuições de ensino, pesquisa e extensão que caracterizam as universidades públicas”, afirma o reitor da Unemat, Rodrigo Zanin.

Isso implica em garantir, pelo menos, condições iniciais básicas para a execução dessa modalidade de ensino: aspectos técnicos, formação dos servidores para atuarem na modalidade de educação a distância, avaliação de utilização das plataformas online e qualidade e universalização de acesso à internet de toda a comunidade acadêmica.

Embora a Unemat já atue com o Ensino a Distância há mais de duas décadas, os cursos oferecidos nesta modalidade são planejados especificamente para serem executados em plataforma digital. Não é possível simplesmente transpor para EaD um ensino superior presencial sem a preocupação com a manutenção da qualidade, de um planejamento de toda a rede de oferta de EaD e das condições de operacionalização do sistema.

Para se beneficiarem dos recursos digitais online, professores e estudantes do ensino presencial precisam de uma formação/certificação de como utilizar as plataformas e ferramentas para a organização de salas, aulas e atividades virtuais. “A Educação a Distância (EaD) requer muito planejamento, organização, plano de aula detalhado, edição de aulas e definição de como acompanhar os alunos nas atividades. Nesse sentido, estamos construindo cursos de formação, que irão certificar docentes para que possam atuar nessa modalidade de ensino”, explicou a vice-reitora, Nilce Maria da Silva, uma das idealizadoras do Ensino a Distância na Unemat.

Outro desafio é a potencial exclusão dos estudantes de cursos presenciais que não conseguirão acompanhar as atividades oferecidas de forma remota. Isso poderá acarretar trancamentos de matrículas, reprovações e abandono de cursos.

O reitor destaca que “existem estudantes da Unemat que não possuem computador em casa, embora tenham acesso à internet por meio de smartphones. Mas sabemos que celulares não substituem computadores para os complexos fins de leitura e escrita acadêmica”.

Nesse sentido, a Universidade fará um mapeamento junto aos seus alunos para traçar os hábitos de uso e capacidade de acesso a computador, internet de qualidade, assim como condições ambientais adequadas para o estudo.

Redação Só Notícias (foto: Só Notícias/Guilherme Araújo/arquivo)