Economia

Pressionado, governo sinaliza com mudanças em medida que aumenta impostos

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, manifestou nesta terça-feira simpatia pela proposta de alterar a MP 232 de forma a não prejudicar as empresas prestadores de serviços que tenham empregados.

A MP 232, em discussão no Congresso, prevê a elevação da base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) de 32% para 40% sobre o faturamento bruto das prestadores de serviços.

Ao ser questionado sobre a idéia de descontar a folha de pagamento da base de cálculo, Palocci disse: “confesso que é uma proposta que me sensibiliza porque é justa e considera a empregabilidade”.

O deputado Francisco Dornelles (PP-RJ) apresentou proposta para que somente as prestadores de serviços que não tenham empregados sofram o aumento da base de cálculo da CSLL.