Economia

Pesquisa aponta que calçados e roupas representam mais de 55% das intenções de compras de fim de ano em Mato Grosso

A vontade de presentear as pessoas mais próximas aquece o comércio local e os lojistas estão otimistas com as vendas. De acordo com pesquisa realizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá, 64% dos entrevistados afirmaram ir às compras com intenção de gastar aproximadamente R$ 1 mil neste fim de ano.

Ainda segundo a pesquisa, para a data, os produtos mais procurados serão roupas e calçados (55,3%), seguidos de brinquedos/pelúcias (21,4%), e eletrodomésticos (4,9%). para o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Calçados e Couros do Estado, Junior Macagnam, a expectativa para o setor calçadista é de um aumento de até 10% nas vendas em relação ao mesmo período em 2019, ano pré-pandemia.

“Estamos bem animados com a movimentação nas lojas e com o fluxo na região central, os consumidores também parecem ansiosos para as compras, pois no ano passado não tivemos muitas festividades de Natal e consequentemente as trocas de presentes aconteceram em menor número. Os consumidores estão aguardando muito este Natal, assim como os comerciantes que se prepararam e continuam seguindo as normas de biossegurança nos estabelecimentos”, aponta Macagnam.

 

O presidente, que também é lojista com estabelecimentos em lojas de rua e em shopping, ressalta que algumas medidas econômicas também contribuem para o aquecimento do comércio neste período. “O pagamento do 13º salário acaba dando aquele incremento na renda mensal do trabalhador e muitos se programam durante o ano para realizar as compras com esta renda. Além disso, o governo anunciou o pagamento adiantado da folha de dezembro para hoje, aos servidores, o que deve injetar aproximadamente R$ 890 milhões se levarmos em consideração o 13º destes mesmos colaboradores”, calcula.

A pesquisa da CDL Cuiabá destaca ainda a preferência dos locais de compras dos consumidores. Mais da metade (51,4%) responderam que optam por ir às Lojas do Centro da cidade. Em segundo lugar ficou a Internet, com 24,9%, que deve destacar um grande aumento comparado aos últimos anos. Em seguida, os Shoppings Centers, com 10,5%, Lojas próximas nos Bairros onde mora, com 7,1%, Mídias Sociais (Instagram, Whatsapp e Facebook) e 3,3% outros.

Redação Só Notícias (foto: Julio Tabile/assessoria)