segunda-feira, 27/maio/2024
PUBLICIDADE

Madeireiros de MT temem burocratização com nova medida do Conama

PUBLICIDADE

O setor madeireiro de Mato Grosso ainda se mostra apreensivo quanto aos efeitos que devem ser provocados a partir da vigência da resolução 411 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), em novembro. A nova determinação impõe critérios para fiscalização em fábricas ou madeireiras que trabalham com produtos e subprodutos florestais da região, dispõe sobre os respectivos padrões de nomenclatura e coeficientes volumétricos, inclusive carvão vegetal e resíduos de serraria.

O setor teme uma maior burocratização dos serviços. De acordo com o presidente do Sindicato das Indústrias Madeireiras Madeireiras do Norte (Sindusmad), José Eduardo Pinto, grande preocupação recai sobre o coeficiente de rendimento volumétrico para transformação de tora comercial em madeira serrada. “Os índices de conversão propostos estão fora de realidade”, expõe o dirigente.

“Este índice determina quantos metros de tora eu gasto para fazer um metro de madeira. O índice que a resolução determina não condiz com a realidade. Para poder continuar trabalhando teremos que provar nossos índices”, acrescentou o presidente salientando a realização de estudos técnicos pelo próprio empresário.

O Conama estabelece que o coeficiente de rendimento volumétrico varia de acordo com a espécie florestal, a qualidade da matéria-prima, o tipo de processo industrial, o nível de tecnologia da indústria e a qualidade do produto final, a realização de aproveitamento comercial.

Devido a singularidade na determinação de um CRV que atenda especificamente a todas as indústrias, a resolução 411 prevê que o órgão ambiental competente poderá acatar, mediante análise técnica, coeficientes específicos, desde que as empresas requerentes apresentem estudos técnico-científicos satisfatórios. Isto, no entender do segmento, gerará custos.

“Dependeremos se este índice ainda será aceito. Enquanto [os órgãos fiscalizatórios] não liberarem seremos penalizados”, complementou Eduardo. “Essa resolução vai causar preocupação quando entrar em vigor”, finalizou.

COMPARTILHE:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias
Relacionadas

Bancos não terão atendimento presencial ao público no feriado de Corpus Christi

As agências bancárias não estarão abertas para atendimento presencial...

Preço médio dos combustíveis volta a subir em Sinop e Sorriso, diz ANP

O mais recente levantamento da Agência Nacional do Petróleo,...

Coleta para atualizar herbários com amostras de 32 espécies florestais é feita no Nortão

Quatro municípios mato-grossenses estão sediando no mês de maio...
PUBLICIDADE