Economia

Entidades querem ‘alvará Covid’, testagem em massa e mais medidas para reduzir prejuízos com lockdown em Cuiabá e Várzea Grande

A prorrogação do lockdown nas duas maiores cidades do Estado, definida ontem, pela justiça após audiência com representantes das prefeituras e Ministério Público, fez com que 8 entidades da indústria e o comércio apresentassem reivindicações para que os prejuízos sejam menores. Há duas semanas a maioria do setor produtivo está fechado. Funcionam empresas de 52 segmentos considerados essenciais.

As entidades manifestaram para as prefeituras que defendem e apoiam que “100% da frota de ônibus circule, entrega de medicamentos nos PAs e UPAs, quando constatados os primeiros sintomas equivalentes aos da COVID-19; testagem em massa com a finalidade de detectar contaminados e principalmente os assintomáticos, determinando seu isolamento e checando seu círculo de relacionamentos; campanha sistemática de conscientização sobre a necessidade de isolamento social, saindo de casa apenas quando extremamente necessário; diálogo constante das prefeituras com o setor comercial, especialmente quanto à tomada de medidas que atinjam nossas atividades”.

As entidades também propõem para tentar “evitar mais fechamento de empresas e mais desemprego”, “que as prefeituras de Cuiabá e Várzea Grande levem ao Poder Judiciário, quando de reunião conciliatória, a disposição das entidades em elaborar, juntamente com os comitês de crise, os requisitos mínimos de funcionamento, considerando todos os aspectos necessários a segurança de colaboradores e clientes, transcritos através de um check list para cada atividade, implicando em medidas de horário de funcionamento, quantidade de pessoas atendidas, por exemplo, entre outras que forem determinadas. O não cumprimento dos itens do check list ensejaria no fechamento imediato da empresa até sua regularização”.

Outro pedido é que as “empresas que estiverem dentro das recomendações poderão receber o ‘Alvará Covid’. A Fiemt (Federação das Indústrias em Mato Grosso) possui e pode disponibilizar uma ferramenta digital de inteligência que permite a emissão eletrônica desse documento – além de um banco de dados que oferece subsídios às tomadas de decisão em cada região dos municípios. Desde já, nos colocamos à disposição para esclarecer melhor o funcionamento da ferramenta.  Desta forma, entendemos ser possível mantermos a atividade empresarial e contribuirmos para a estagnação da curva de crescimento da pandemia”, concluem.

O manifesto é assinado pelos presidentes da Federação das Indústrias em Mato Grosso, Federação do Comércio Bens e Serviços, Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Mato Grosso, Federação das Associações Comerciais e Empresariais, CDL de Cuiabá e Várzea Grande e as associações comerciais das duas cidades.

Só Notícias (foto: assessoria/arquivo)