Economia

Dólar se recupera e fecha em alta cotado a R$ 2,26

O dólar encerrou em alta nesta terça-feira, com o mercado aumentando as apostas de que o Banco Central pode voltar a atuar no câmbio. A divisa norte-americana subiu 0,40%, encerrando a R$ 2,260.

“Está aumentando a possibilidade de o BC entrar na ponta de compra ou realizar amanhã o leilão de swap reverso”, afirmou Miriam Tavares, diretora de câmbio da AGK Corretora.

Pela manhã, o dólar recuou por conta de ingressos e chegou a R$ 2,245, o menor nível durante os negócios desde maio de 2001. O preço baixo alimentou as expectativas de retorno do BC.

Tradicionalmente às terças-feiras, o Banco Central informa se fará ou não o leilão de swap cambial invertido, operação que não realiza desde março. A autoridade monetária também interrompeu as compras de dólares no mesmo período.

Em agosto, o BC chegou a realizar um leilão de compra quando o dólar estava abaixo de R$ 2,30, mas não aceitou nenhuma proposta.

“Mas a perspectiva é de que se o BC não entrar, o dólar cai… não tem espaço para subir muito, só mesmo se o BC entrar com leilão”, afirmou a diretora, lembrando que nas próximas sessões começa a disputa para formação da última Ptax (taxa média do dólar) do mês e o reforço para derrubar a cotação do dólar é maior.

Outro fator de pressão no câmbio nesta terça-feira veio do campo externo, com o avanço do dólar em relação ao euro e a subida do rendimento pago pelos Treasuries, disseram analistas. Os investidores apostam que o Federal Reserve continuará elevando os juros nos Estados Unidos.

Os comentários do diretor da Fitch Ratings nesta manhã de que a crise política pesa sobre a perspectiva de risco do Brasil também influenciaram o mercado doméstico, citou Miriam Tavares.

Na semana passada, rondava sobre as mesas de câmbio a expectativa de que pudesse haver elevação do rating do país.

Nesta tarde, o risco-país subia 5 pontos, para 358 pontos-básicos sobre os Treasuries.

“São pequenos fatores que somados seguram um pouco o dólar”, disse a diretora.

O diretor de câmbio de uma corretora nacional, que preferiu não ser identificado, disse ainda que houve uma operação grande de saída de recursos por investidores aproveitando o preço do dólar.