Economia

Desenvolve MT já emprestou R$ 10 milhões para socorrer pequenas empresas no Estado na pandemia

O governo de Mato Grosso já emprestou mais de R$ 10 milhões para socorrer pequenos empresários durante a pandemia do novo Coronavírus. Os valores, explicou o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico (Sedec), César Miranda, foram repassados pela Agência de Fomento de Mato Grosso (Desenvolve MT) por meio das linhas de crédito Fungetur Giro e Capital de Giro Emergencial e correspondem a 30% dos R$ 35 milhões disponibilizados pelo governo do Estado com carência e taxas de juros mais atrativas do que as do mercado.

Ainda tem projetos em análise pelas equipes do Desenvolve MT e o volume de empréstimos, enfatizou Miranda, não é maior por problemas cadastrais e pelas exigências legais. “A grande questão é que, muitas vezes, a documentação, mesmo que mínima exigida, gera dificuldade para o empreendedor conseguir esta documentação. Infelizmente, são normas exigidas pelo Banco Central e pelo sistema financeiro que nós não podemos abrir mão”, explicou Miranda, ao Só Notícias.

O secretário lembrou que diversos setores de Mato Grosso atravessam a pandemia em crescimento, principalmente os ligados ao agronegócio e aqueles que tiveram facilitações promovidas pelas reformas tributárias feitas pelo governo nos dois anos anteriores. No entanto, setores como o do turismo e de serviços sofrem perdas.

“Para estes setores foram criadas linhas de créditos específicas para que qualquer cidadão, qualquer empresa possa acessar através do site da Desenvolve MT e colocar o seu cadastro para que a proposta seja analisada. E, tendo todos os documentos que são exigidos por lei pelo Banco Central, o crédito será aprovado e liberado o recurso automaticamente”, completou.

O Fungetur Giro atende ao setor do turismo e tem até R$ 30 milhões disponíveis para empréstimo. Cada projeto pode captar até R$ 100 mil. Para o Capital de Giro Emergencial são R$ 5 milhões disponíveis para empréstimos de R$ 10 mil.

“São linhas de crédito que podem ser acessadas por atores envolvidos com turismo, motoristas de vans escolares e turísticas, academias de ginástica, pequenos empreendedores utilizarem como capital de giro”, concluiu o secretário.

Só Notícias/Marco Stamm (foto: Só Notícias/Guilherme Araujo/arquivo)