quarta-feira, 17/julho/2024
PUBLICIDADE

Assembleia debaterá com Indea e madeireiros divergências na classificação da madeira

PUBLICIDADE

O plenário da Assembleia Legislativa aprovou requerimento para realização de audiência pública, em Cuiabá, que irá tratar das divergências em relação à classificação da madeira retirada no Estado. O debate está sendo provocado pelo deputado Dilmar Dal"Bosco (DEM) e deve ocorrer no dia 24 de novembro, às 14h.

Segundo Dal"Bosco, os empresários do setor vem sendo prejudicados no transporte da carga, devido divergências na nomenclatura das madeiras utilizada pelos órgãos ambientais em atividade no estado, leia-se Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea), Secretaria de Estado de Meio ambiente (Sema) e Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Nacionais Renováveis (Ibama).

"Não existe consenso na classificação usada pelos órgãos ambientais. Por isso, as diferenças entre o nome cientifico e o vulgar dessas espécies, vêem resultando na apreensão da carga trazendo, inclusive, um enorme prejuízo financeiro para os madeireiros. É inadimissível que empresários percam toda a carga por conta de poucos metros cúbicos que divergem do restante da madeira", criticou o democrata.

Para justificar a realização da audiência pública, Dilmar argumentou que a classe madeireira, cujas atividades concentram-se na região norte do Estado, enfrenta uma grave crise econômica, em decorrência de diversos fatores, tais como: a morosidade e a burocratização dos órgãos ambientais – responsáveis pelas licenças e a emissão de guias de autorização para transporte da carga- e essa crise, na avaliação do parlamentar, vem sendo agravada pelos problemas na classificação da madeira.

"Queremos mostrar à sociedade que esse assunto é importante para todos, pois atualmente, o setor sente a ausência de incentivos econômicos e fiscais por parte do governo estadual. Outra dificuldade é a falta de pesquisas e a grande burocracia, que trava o desenvolvimento do setor e dificulta investimentos maiores", concluiu Dal"Bosco.

 

COMPARTILHE:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias
Relacionadas

PUBLICIDADE