Saúde

Sinop: mais 100 cirurgias oftalmológicas são realizadas em mutirão; pacientes esperavam 2 anos

Mais de 100 pessoas estão sendo atendidas, hoje, no segundo mutirão de cirurgias oftalmológicas, promovido pela prefeitura, para pacientes regulados no município que aguardavam na fila de espera para realizar o procedimento de pterígio. O secretário municipal de Saúde, Gerson Danzer, explicou que os pacientes foram chamados pela classificação de risco e, em seguida, pela ordem cronológica.

“Tem gente que estava aguardando há dois, três anos na fina, mas a fila não andava. Agora já somam 200 pessoas, contanto com o primeiro mutirão, que estão tendo suas vidas mudadas, um procedimento, aparentemente simples, mas que faz a diferença na vida de quem precisa. É, sem dúvidas, um grande avanço para Sinop, que nunca havia feito isso. Nós que estamos na linha de frente vemos o antes e depois de cada paciente, conseguimos ver a satisfação de cada um”, disse o secretário, através da assessoria.

Cirurgias como essas são de competência do Estado, mas devido ao grande quantitativo de pessoas esperando por uma vaga há anos, a prefeita Rosana Martinelli, determinou que a realização ocorresse por conta do município. Os pacientes estão sendo atendidos no Centro de Especialidades Médicas (CEM) pela equipe médica de Cuiabá. “Ao invés de levar os pacientes, juntamente como seus acompanhantes para Cuiabá, optamos em realizar os procedimentos no município. Assim, evitamos o transtorno de tirá-los da cidade, como também reduzimos custo desde passagens, hospedagem e alimentação”, aponta o secretário.

O vigilante Jamilton Gomez da Silva, que estava desde 2016 esperando pelo procedimento, conta às dificuldades que enfrentava por causa do pterígio. “Eu sentia muita claridade no rosto e, também, coça bastante, principalmente, por causa do calor, além da visão que diminuiu”, diz.

Em agosto, a prefeitura já atendeu 100 pacientes com cirurgias oftalmológicas, sendo 70 de pterígios e 30 de cataratas. A terceira etapa sai até dezembro no intuito de zerar toda demanda reprimida do município. Pacientes que ainda não estão regulados pelo município e necessitam realizar cirurgias desta natureza, devem ir até uma Unidade Básica de Saúde (UBS) e passar por uma avaliação médica, orienta a assessoria.

Os valores financeiros destinados para os atendimentos são oriundos de recursos próprios do município e emendas impositivas dos vereadores  Billy Dal Bosco, Ademir Debortoli, Dilmair Callegaro, Hedvaldo Costa, Ícaro Severo, Joacir Testa, Joaninha, Leonardo Viseira, Lindomar Guida, Luciano Chitolina, Maria José, Professora Branca, Remídio Kuntz e Tony Lennon.

Só Notícias