Saúde

Secretaria confirma sexta morte por dengue em Mato Grosso

O caso é de um homem de 34 anos, morador do município de Juína. No total, Mato Grosso registra seis mortes provocadas pela doença, este ano, e outras quatro ainda estão sendo investigadas. Em 2014, foram cinco mortes. A coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Flávia Guimarães, explica que as mortes por dengue são investigadas conforme protocolo específico e confirmadas por critério laboratorial.

“Após o óbito de um paciente a equipe técnica inicia, junto com o município, o protocolo de investigação daquela morte por dengue para confirmar ou descartar a doença, com a finalidade de identificar possíveis fatores determinantes do óbito, para que se possa preveni-los”.

Flávia lembra ainda da importância dos profissionais de saúde em realizar o manejo clínico adequado aos pacientes com suspeita de dengue. "Ao adotar as recomendações de controle e manejo da dengue, o profissional faz o diagnóstico e trata melhor esse paciente. A adoção dessas medidas é importante na redução dos casos graves e óbitos, principalmente porque agora não tratamos só da dengue, precisamos estar atentos aos casos de chikungunya e de zika também”.

Os sintomas da dengue, da febre chikungunya e do zika vírus, são parecidos. Geralmente, o paciente apresenta febre, dor de cabeça, dores no corpo e nas articulações, além de manchas na pele. A fotofobia é uma das características diferenciais da doença, assim como manchas nas palmas das mãos e nas plantas dos pés, e conjuntivite sem secreção e coceira.  

Entre 1º de janeiro e 16 deste mês foram notificados 21.574 casos de dengue. No mesmo período de 2014 foram 9.759 casos, ou seja, neste ano houve um aumento de 121,07%. As informações são da Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde.