Saúde

Médicos decidem manter suspensão de planos de saúde

Os médicos de Mato Grosso decidiram em assembléia geral, ontem, manter a suspensão do atendimento aos usuários de 22 planos de saúde. Os profissionais decidiram também cobrar dos pacientes valores referentes à Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM). Os usuários podem cobrar os custos de consultas e procedimentos médicos dos planos de saúde.

“Nós não estamos mais credenciados aos planos de saúde, mas em respeito ao usuário e para reforçar a nossa luta vamos cobrar preços inferiores ao particular e referentes à Classificação”, afirmou a coordenadora da Comissão Estadual de Honorários Médicos de Mato Grosso, Maria Cristina Pacheco da Costa.

O movimento de implantação da Classificação Hierarquizada em Mato Grosso negocia há mais de um ano com as operadoras de planos de saúde. Na primeira fase, os médicos entregaram às administradoras o termo de descredenciamento em agosto do ano passado. A partir de 18 de outubro ocorreu a suspensão do atendimento aos usuários que durou até o dia nove de dezembro, quando no dia 10 foi assinado um Termo de Acordo, que expirou em 28 de fevereiro deste ano, e o atendimento foi retomado.

No mês de março ocorreu uma nova rodada de negociação entre as empresas e a Comissão Estadual de Honorários Médicos, mas as negociações não avançaram. “Depois de 10 anos sem reajuste, ainda fomos coerentes demos seis meses de prazo para as empresas administradoras de planos de saúde se adequarem e mesmo assim está difícil chegar num consenso”, destacou Augusto Régis da Comissão de Honorários. O médico se refere ao prazo que foi concedido pelo movimento de dezembro de 2004 a junho de 2005 quando houve a segunda suspensão do atendimento.

Uma das empresas encaminhou uma proposta que foi rejeitada pela assembléia por não contemplar a implantação da CBHPM e propôs conversar sobre o assunto daqui a 90 dias. Os médicos estão mobilizados e se reúnem em assembléia na próxima segunda-feira, 11, às 19 horas.