Saúde

Mais de 30% dos casos suspeitos de microcefalia ainda são investigados em Mato Grosso

Trezentos e noventa e cinco casos de microcefalia foram registrados em Mato Grosso, nos últimos três anos. Destes, 43,3% foram descartados pelo Estado, 33,2% continuam em investigação e 19,3% foram confirmados. Neste ano, até momento, já foram dois casos. Os dados são do primeiro boletim epidemiológico divulgado este ano pela Secretária de Estado de Saúde.

Ainda conforme o levantamento, quatro municípios no Estado concentram 57,6% dos casos registrados. Rondonópolis (113), Cáceres (58), Cuiabá (58) e Várzea Grande (24) correspondem a 253 notificações sobre a doença. O restante, 42,31% estão distribuídos de forma dispersa nos demais municípios. Dos 141 municípios, 67 já registraram microcefalia.

Nos últimos três anos, em 10 casos em que houve aborto, natimortos e mortes das crianças após o parto foram identificados a doença. Os municípios que lideram os casos confirmados são Rondonópolis com 22 e Cuiabá com 20 registros.

Os casos de bebês com microcefalia relacionada ao vírus zika transmitido pelo aedes aegypti começaram a ser identificados em 2015 e continuam. Por isso, o Ministério da Saúde continua a alertar as gestantes e a população em relação aos cuidados necessários para a não transmissão da doença e proliferação do mosquito.