Saúde

Índice de hanseníase coloca Mato Grosso em estado de alerta

Alerta em Mato Grosso. O índice de hanseníase no Estado é bastante elevado, em comparação a outras regiões brasileiras. A Organização Mundial de Saúde estima que atualmente a doença atinge, em todo o Brasil, cerca de 1 milhão de pessoas e que de 2 a 3 milhões estejam permanentemente incapacitadas com a doença.

Para minimizar, os casos da doença em Mato Grosso, o deputado Sérgio Ricardo (PPS) apresentou dois projetos de lei que tratam desse assunto. Para o parlamentar, o índice da doença elevado da doença é gravíssimo.

Um dos projetos institui a semana de conscientização para eliminação da hanseníase em Mato Grosso. O mês escolhido é janeiro e o período de alerta a prevenção da doença vai realizado de 25 a 31, do mês corrente.

Já a outra proposta cria a política estadual de educação preventiva contra a hanseníase e de combate ao preconceito da doença em todo o Estado. “O objetivo é reduzir o processo de exclusão social dos portadores da enfermidade. Estimular ações preventivas e terapêuticas. Além de incentivar a participação da sociedade nas iniciativas voltadas para a prevenção e a erradicação da doença”, disse Sérgio Ricardo.
“A Organização Mundial de Saúde admite um caso da doença para 10 mil pessoas. Isso num trabalho intenso da eliminação da doença. Mas quando se traz esses números para o Brasil e, principalmente, Mato Grosso se vê a preocupação e gravidade da situação”, observou Sérgio Ricardo.

Isso porque em todo o mundo o número de doentes com hanseníase chega a casa dos 500 mil. Porém, o Brasil é o único país da América Latina onde a doença ainda não foi eliminada. Já em Mato Grosso apesar do percentual de cura ter crescido nos últimos dois anos de 69% para 84%, o Estado ainda lidera os casos de doenças no país.

De acordo com o parlamentar, no Brasil, hoje, o número é de 5 casos para cada 10 mil habitantes. Porém, em Mato Grosso esse número sobe para 22 casos. “A hanseníase é muito ligada a pobreza. É nesse nicho social que as pessoas têm dificuldade de reconhecer que está com a doença. As pessoas contraem a moléstia com muita facilidade, por meio de espirros e tosses. A hanseníase é um caso muito grave que precisa ter atenção do poder público”, destacou Sérgio Ricardo.

Para o pepessista é preciso que os poderes públicos federal, estadual e municipais estejam empenhados em erradicar a hanseníase em todo o Mato Grosso. “É precioso dar o grito de alerta, porque Mato Grosso é o campeão da doença. Porém, é uma doença que precisa desenvolver campanhas com a instituição mecanismos que possam divulgar mais a doença e a participação da população seja mais eficaz”, destacou Sérgio Ricardo.

A hanseníase é uma doença crônica, infecto-contagiosa, causada pro uma bactéria denominada Mycobacterium leprae. A doença afeta a pela e os nervos. Todo o corpo pode ser acometido, mas as regiões mais afetadas são as extremidades e a face. Quando não tratada, a doença pode causar deformidades que incapacitam o individuo para o trabalho e socialmente.