Saúde

Com estabilização da Covid num platô governo de Mato Grosso quer retomar cirurgias eletivas

A estabilização dos casos do novo Coronavírus em Mato Grosso num platô faz com o governo do Estado comece repensar o planejamento de saúde com a desmobilização de hospitais referência no tratamento da Covid-19 para que estes voltem a realizar as cirurgias eletivas (aquelas que não tem urgência) suspensas há quase dez meses desde o começo da pandemia.

A readequação começa por Cuiabá onde, segundo o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, a Santa Casa e o Hospital São Benedito (referência em cirurgias neurológicas) deixarão de atender pacientes com Covid-19 para voltarem a trabalhar como antes da pandemia, realizando as cirurgias eletivas que serão remarcadas pela central de regulação.

O Hospital Júlio Müller, o Pronto-Socorro Municipal de Cuiabá e o Hospital Metropolitano continuarão sendo referência para Covid-19, além do Centro de Triagem na Arena Pantanal que será mantido no mês de novembro.

“Agora nós estamos num período de estabilidade com a Covid ao atingirmos um platô, com uma taxa de ocupação dos leitos de UTI’s abaixo de 50%. Isso cria uma perspectiva para fazemos um planejamento para reiniciarmos as cirurgias eletivas”, declarou Figueiredo em entrevista ao Resumo do Dia.

O planejamento é da secretaria e precisa ser “pactuado” com a Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá. Hoje à tarde Figueiredo vai se reunir com a secretária Ozenira Félix para decidirem em conjunto sobre a retomada das cirurgias eletivas, cujo plano já foi exposto por Figueiredo, e sobre o reordenamento dos leitos de UTI’s na baixada cuiabana. A assessoria de imprensa da SES não soube responder se existe um planejamento para o interior.

Os últimos números da SES mostram que são 185 pacientes internados em UTI’s públicas e 202 em enfermarias. A taxa de ocupação é de 46% para UTI’s e de 23% para enfermarias. Desde o começo da pandemia, Mato Grosso registrou 136.504 casos e 3.732 mortes. Todos os municípios mato-grossenses permanecem com “risco muito baixo” de contaminação de acordo com os critérios da SES.

Só Notícias/Marco Stamm (foto: assessoria/arquivo)