sábado, 20/abril/2024
PUBLICIDADE

TCE manda prefeitura de Cuiabá não criar obstáculos ao ônibus rápido faz críticas

PUBLICIDADE
Só Notícias (foto: Thiago Bergamasco/arquivo/assessoria)

O Tribunal de Contas do Estado homologou, na sessão de hoje, tutelas provisórias de urgência que determinam à prefeitura de Cuiabá que não crie obstáculos para a implantação do Bus Rapid Transit – ônibus rápido- que ligará a capital e Várzea Grande, nas obras feitas pelo governo estadual. As medidas consideraram o descumprimento de decisões anteriores, que apontam que a gestão vinha tentando impedir a execução das obras. O conselheiro Valter Albano constatou que a prefeitura fez inaplicáveis ao contexto das obras, mesmo após a apreciação do acórdão 10/23 e do julgamento singular 570/2023, do atual presidente do TCE, Sérgio Ricardo, que atestaram a legalidade da implantação do modal e autorizaram a continuidade dos trabalhos, com recomendação para sua celeridade.

“Neste julgamento, constatei, mais uma vez, que a autoridade política municipal deliberadamente colocou preferências pessoais acima dos interesses comuns, fazendo exigências já dispensadas por este Tribunal, em afronta às determinações deste órgão constitucional de controle externo”, afirmou Valter Albano. O conselheiro também constatou que o prefeito Emanuel Pinheiro e os secretários municipais continuaram a criar percalços, exigindo documentações e autorizações com base na legislação municipal, o que já havia sido apontado pelo Tribunal como inaplicável ao caso, uma vez que as normas estariam restritas à administração local. A conduta motivou novo requerimento das medidas cautelares por parte do Governo de Mato Grosso. Emanuel defende que seja mantido modal do VLT (veículo leve sobre trilho )que era previsto para ficar pronto em 2014, pela então gestão do Estado.

Em seu voto, o relator reforçou que as exigências são incompatíveis com a Constituição da República e lembrou que elas prejudicam também a população de Várzea Grande, violando “a própria razão de ser” da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá. As consequências mencionadas no voto incluem atrasos na implantação do modal e prejuízos aos cofres públicos decorrentes de constantes reajustamentos do contrato. Albano defendeu ainda que a situação priva a população de um transporte intermunicipal mais eficiente. “A construção de infraestruturas tais como a do BRT em regiões metropolitanas atende a um propósito regional, por enquadrar-se na definição de função pública de interesse comum, não necessitando submeter-se às exigências da legislação municipal, restrita a cada município integrante da região delimitada.”

O conselheiro Antonio Joaquim apresentou voto divergente ao do relator, sugerindo a homologação parcial das tutelas e a concessão de prazo para que o município cumpra as deliberações e fundamentos técnicos constantes nas decisões anteriores. “Defendo que o gestor cumpra com o que o Tribunal decidiu, de forma incondicional. Por fim, verifico que é oportuno que o plenário concilie um limite temporal aos efeitos das tutelas em debate. Sugiro que seja acolhido prazo de quatro meses, o qual entendo ser proporcional e razoável para que as fases preliminares das obras não sejam impedidas ou paralisadas”, disse o conselheiro.

O presidente do TCE, Sérgio Ricardo, acompanhou o posicionamento do relator. “A união dos dois votos é um verdadeiro tratado sobre o qual o prefeito e os gestores deveriam se debruçar. Foi feito um estudo aprofundado por parte de ambas as assessorias, com pouquíssimas divergências”, pontuou.

Também em consonância com Valter Albano, os conselheiros José Carlos Novelli, Waldir Teis e Guilherme Antônio Maluf manifestaram em seus votos que a obstrução das obras do sistema de transporte público intermunicipal por parte das autoridades municipais prejudica não apenas o andamento do projeto, mas também os cidadãos, que aguardam por um modelo mais eficiente e sustentável.

O procurador-geral do Ministério Público de Contas (MPC), Alisson Carvalho de Alencar, sugeriu a aplicação de multa por litigância de má fé, por entender que o gestor tem usado de subterfúgios para obstruir a atuação do controle externo e impedir o cumprimento de uma decisão do Plenário. “Por essas razões, em diversos outros casos, o MP de Contas tem se pronunciado pela declaração de litigância de má fé por determinados gestores. Isso significa que o jurisdicionado extrapolou o seu direito de defesa e está tomando providências de má fé dentro do processo. Por isso é essencial que, para defender sua competência, o Tribunal insira multa pecuniária às autoridades que assim estejam atuando”, afirmou.

Diante do exposto, Valter Albano acolheu o parecer ministerial e determinou à gestão que cumpra e faça cumprir integral e imediatamente as deliberações do TCE, deixando assim de exigir licenças restritas à legislação municipal, como Código Sanitário e de Posturas, e Código de Obras e Edificações, sob pena de aplicação da multa e outras formas de responsabilização, incluindo a reparação de danos causados.

COMPARTILHE:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias
Relacionadas

Prefeito inaugura ciclovias e pistas de caminhada em avenidas de Nova Mutum

A prefeitura de Nova Mutum inaugurou duas obras do...

Prefeito anuncia mais 100 quilômetros de asfaltamento em Várzea Grande

O prefeito Kalil Baracat anunciou que vai incluir no...

Mato Grosso passa a ter setor de inteligência de combater a crimes tributários

O Governo de Mato Grosso implantou a Coordenadoria de...

Ministério autoriza criar mais um câmpus do IFMT em Mato Grosso

O ministério da Educação confirmou a assinatura da portaria...
PUBLICIDADE