Política

Sorriso tem déficit de mil casas populares e prefeitura priorizará novo conjunto habitacional

O prefeito Ari Lafin e secretários analisaram, ontem, a viabilização de projetos habitacionais para famílias de baixa renda. O mais recente levantamento aponta que são 9.790 famílias inclusas no (CadÚnico) e o município tem 1.216 famílias em situação de extrema pobreza, com renda per capita variando de R$ 105. Há mais 1.410 famílias classificadas em situação de pobreza, com renda per capita que varia de R$ 105 e R$ 210 mensais.  As famílias consideradas de baixa renda somam 3.694, com renda per capita entre R$ 201 e R$ 606. Famílias com renda superior a meio salário mínimo per capita somam 3.470.

Do total de famílias cadastradas, 4.044 têm despesas com aluguéis e 5.746 não pagam aluguel, o que representa que 59% da totalidade possuem casa própria. “A partir desse diagnóstico é possível identificar que Sorriso tem hoje um déficit habitacional em torno de mil casas populares. São famílias com renda inferior a três salários mínimos e que não se encaixam nas políticas de financiamento habitacional. Estamos buscando construir alternativas para viabilização de novos empreendimentos habitacionais que atendam a esta demanda, garantindo a universalização do direito à moradia”, disse o prefeito.

A prefeitura passa a avaliar alguns imóveis onde possam ser construídos conjuntos habitacionais e passa a priorizar projetos para viabilizar recursos.

Só Notícias (foto: Só Notícias/Lucas Torres)