Política

Sinop tem aumento no número de medidas protetivas a mulheres e prefeita lança campanha

A prefeita Rosana Martinelli (PL) disse, esta noite, ao lançar a campanha ‘Sinop livre de violência contra mulher’ que “este é o momento de unirmos todas as mulheres, sejam as mães, filhas, netas, jovens, trabalhadoras. Todas juntas, porque essa é uma campanha a favor de Sinop, do seu povo e das nossas mulheres. por isso, temos que dar um basta”, afirmou a gestora.

A mobilização municipal é em referência a campanha internacional, celebrada mundialmente no dia 25 de novembro, para denunciar a violência contra as mulheres e exigir políticas em todos os países para sua erradicação. “Para que não aconteça mais nenhuma agressão contra as mulheres de Sinop. A segurança pode ser uma questão de estado, mas as mulheres são uma questão de vida e respeito”.

A juíza de Direito da 2ª Vara Criminal da Comarca de Sinop, Débora Paim Caldas, apontou, durante o lançamento da campanha, que até hoje já foram registradas 676 medidas protetivas requeridas por mulheres em Sinop. “Em comparação aos dados do ano passado é quase 10% maior. Isso representa somente as que procuraram e quantas outras não procuraram. É uma realidade assustadora. Não estamos falando somente de violência doméstica contra mulher, mas também contra a família”, explicou a magistrada,  através da assessoria.

A proposta a prefeitura é discutir o tema com a população, uma vez que a violência contra a mulher é uma chaga da sociedade brasileira, uma triste realidade que precisa ser enfrentada. Ao longo da semana, a Rede de Proteção à Mulher também realizará uma série de ações como palestras em escola, bate-papo em hospitais e também uma roda de conversa para homens. O objetivo é sensibilizar e mobilizar o público na promoção de mudanças quanto a esse tipo de violência.

A secretaria estadual de Segurança Pública registrou em Sinop, até o mês de setembro, foram 810 ameaças contra mulheres, 420 casos de lesão corporal, 14 estupros e dois homicídios.

O juiz auxiliar da Corregedoria Geral de Justiça, Gerardo Humberto, que participou do evento representando a desembargadora Maria Erotides Kneip, parabenizou a iniciativa do município. “No Brasil, são registrados 80 crimes sexuais contra as mulheres por dia. São 15 feminicídios por dia no Brasil e apenas e tão somente porque são mulheres. O município está de parabéns por encampar essa ideia. Fico feliz em participar do evento”.

Também foi apresentada toda a formação da Rede de Proteção à Mulher, que iniciou em Sinop em abril deste ano e é promovida com o apoio da prefeitura de Sinop, câmara, Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública, Delegacia Especializada da Mulher, OAB Sinop, Conselho Tutelar, Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Faculdades Fasipe e Unic, Hospital Santo Antônio, Hospital Regional e Escritório Regional de Saúde e as secretaria municipais de Educação, Saúde e Assistência Social. A informação é da assessoria.

Só Notícias (foto: assessoria)