Política

PPS de Mato Grosso se rebela e não participará da reunião do Diretório Nacional

Após uma reunião com membros da Executiva Regional, o PPS de Mato Grosso decidiu não enviar nenhum representante à reunião do Diretório Nacional do Partido, que será realizada neste final de semana em Natal. O presidente do Diretório Regional, Roberto França, disse que tal posição prende-se ao fato que os dirigentes do PPS entendem que não há essa necessidade, tendo em vista que a posição do PPS de Mato Grosso já foi levada ao conhecimento do presidente Roberto Freire e ao secretário-geral, Rubens Bueno, quando da vinda de ambos a Cuiabá.
     
França lembrou que naquela oportunidade, o governador Blairo Maggi comunicou sua posição contrária ao lançamento da candidatura própria antes da definição sobre a verticalização. Essa posição do governador foi referendada e apoiada na reunião da Executiva do PPS de Mato Grosso. Por outro lado, o PPS de Mtato Grosso avaliou que o Diretório Nacional está precipitando na decisão de lançamento de candidatura à Presidência da República, antes do Congresso Nacional decidir as regras da nova legislação eleitoral.
     
  “Como lançar candidato sem saber se a verticalização será mantida ou não” – afirmou França. “Portanto, entendemos que a agenda do Encontro Nacional de Natal é extemporânea, pois, antes das definições das novas regras eleitorais, não tem porque tomar nenhuma decisão”, definiu o delegado do Diretório Nacional, ex-prefeito Percival Muniz.
     
“A atitude mais sensata e prudente seria primeiro esperar definir a legislação que vai nortear as próximas eleições, para depois buscar as alternativas mais convenientes para o Partido”, afirmou o vice-presidente, deputado Mauro Savi.
     
“Por não concordar com o lançamento antecipado de candidatura e também levando-se em conta que a posição do PPS de Mato Grosso já foi manifestada ao presidente Nacional do Partido a atitude da Executiva do Diretório Estadual está corrreta, em não enviar ao encontro, nenhum de seus Delegados” – destacou o Tesoureiro do Partido, Luiz Antonio Pagot.
     
Discordando da análise de alguns, Percival Muniz, acredita que mesmo que o Diretorio Nacional venha a lançar candidatura própria, não haverá a necessidade de Blairo Maggi deixar o PPS para viabilizar a sua candidatura à reeleição, pois, com a queda da verticalização ele poderá pelo PPS fazer as composições e coligações com os aliados e ainda ampliar com outros partidos, finalizou Percival.