Política

Morre mãe do senador Jayme Campos e governador decreta luto

A mãe do senador Jayme Campos (DEM) e do ex-governador do Estado Júlio Campos, dona Amália Curvo de Campos, de 96 anos, morreu, hoje, vítima da Covid-19. As informações foram confirmadas, há pouco, pela assessoria. Devido a pandemia, não haverá velório, o cortejo sairá do Hospital Santa Rosa, em Cuiabá até o Cemitério Central São Francisco, em Várzea Grande, onde ocorrerá o sepultamento, às 11h30. Ela deixa outros 8 filhos, 23 netos e 30 bisnetos.

“Uma mulher carinhosa, uma mãe amorosa que deixa um legado de muito amor. Junto ao inesquecível Seo Fiote, meu saudoso pai, constituíram uma bonita família. Minha mãe sempre foi uma mulher muito zelosa e muito prestativa. Tinha por ofício a enfermagem e fundou o primeiro Posto de Saúde de Várzea Grande. Ela foi, durante 20 anos, presidente da Sociedade de Proteção à Maternidade e Infância da cidade. Mesmo com o coração partido, agradeço a Deus por ter sido gerado, formado e educado por esta simples e forte mulher. Tenho 69 anos de vida e, se sou o que sou, é pela graça de Deus e por ter tido dona Amália como mãe”, descreveu o senador em uma rede social

O governador Mauro Mendes (DEM) decretou luto de três dias. Ele e primeira-dama Virginia Mendes, expressaram a tristeza pelo momento e desejaram o conforto de Deus para todos que sentirão a perda de dona Amália. “Conhecemos dona Amália, mulher, mãe e avó zelosa e carinhosa, um ser humano admirável, que deixa um legado de amor à sua família e amigos. Desejamos que Deus ilumine seu caminho e dê força a todos os familiares para que possam superar esse momento difícil”, lamentaram o governador e a primeira-dama.

O secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, lembrou do trabalho ativo na política de dona Amália, quando primeira-dama de Várzea Grande. Com Seo Fiote, prefeito por duas vezes daquele município, ela ajudou na fundação dos partidos PSD, Arena, PFL e DEM. “Que Deus a tenha e que possa confortar o coração de seus familiares, amigos e admiradores”, disse Carvalho.

O prefeito de Várzea Grande, Kalil Sarat Baracat de Arruda, lamentou profundamente e decretou luto oficial de três dias, lembrando o valor que as mulheres, como dona Amália e sua avó Sarita Baracat tiveram ao longo da história política da segunda maior cidade de Mato Grosso e sinalizando que as adversidades e disputas políticas nunca atrapalharam o principal sentimento de todas elas, o bem querer pela cidade e por sua gente. A primeira dama, Januária Dorileo, acrescentou que dona Amália  foi exemplo de sabedoria e de perseverança em sua vida e uma pessoa que deixa um grande ensinamento, que “na vida a persistência com sabedoria, leva as pessoas a trilharem os caminhos da vitória pessoal e profissional”.

O presidente da câmara de Cuiabá, Juca do Guaraná Filho, externou pesar pelo falecimento da mãe do senador.  “Recebi com muita tristeza a notícia do falecimento da dona Amalia. Uma mulher guerreira, que teve participação fundamental na política mato-grossense. Estou em oração para que Deus conforte o coração da família e amigos nesse momento difícil”.

Redação Só Notícias (foto: Gilberto Leite/divulgação - atualizada às 10h12)