Política

Desembargadora é empossada no Tribunal de Justiça: “proteção divina para busca de um mundo melhor e mais justo”

A desembargadora eleita Maria Aparecida Ferreira Fago tomou posse, hoje, no Tribunal de Justiça de Mato Grosso e completou o quadro de 30 membros da corte. “Que eu possa honrar a confiança em mim depositada, contando  sempre com ajuda e proteção divina para busca de um mundo melhor e mais justo”, disse, em seu discurso. “Nós magistrados temos por missão de dever de ofício, buscarmos a prestação da justiça e consequentemente a paz social.”

“A caminhada foi longa já que tenho mais de 42 anos de serviço público sendo 30 anos, seis meses e quatro dias na magistratura deste glorioso Estado de Mato Grosso, onde ingressei em janeiro de 1998”, relembrou. “Louvo a Deus por estar aqui, agora, sendo agraciada depois da pandemia decorrente da Covid, que deixou o Brasil em luto nesta grande tragédia da história e que, infelizmente, ainda tem afetado muitas pessoas em países diversos. Assim, não há lugar para festividades maiores a despeito deste dia, não há como negar que este é um momento de intensa emoção”, ponderou.

Maria Fago enalteceu a atual gestão do Poder Judiciário estadual. “A presidente do Tribunal de Justiça, desembargadora Maria Helena Póvoas, acompanhada da digníssima vice-presidente, desembargadora Maria Aparecida Ribeiro e o excelentíssimo corregedor-geral da Justiça, desembargador José Zuquim Nogueira, promoveu uma profícua gestão na direção do judiciário. De fato, com coragem, determinação e desenvoltura nas resoluções das questões administrativas eles ousaram e ainda ousam tomar atitudes perante a realidade que enfrentamos, com providências necessárias a melhoria e ao aperfeiçoamento material e humano que temos.”

A cerimônia de posse contou a presença da cúpula do tribunal, representantes da OAB e Defensoria Pública, magistrados, servidores e familiares da da desembargadora.

“Desembargadora Maria Ferreira Fago seja muito bem-vinda a esta Corte. Vossa excelência chega em um momento importante para este colegiado, estamos ampliando o número de  mulheres aqui. Isso, a princípio parece um discurso pequeno diante da magnitude do momento que vivemos, mas não é. Todos nós sabemos o quanto as mulheres tiveram dificuldades para adentrar na magistratura”, declarou a presidente, desembargadora Maria Helena Póvoas.

“Depois de muito tempo foi comprovada e provada a sua aptidão para a magistratura e  elas começaram a furar um bloqueio estabelecido e mostrar que tinha muita competência, muita aptidão para a magistratura. Hoje a prova maior está aqui. Nós temos 10 mulheres no colegiado de 30 e quiçá possamos ampliar e ser a metade deste colegiado”, completou.

 

Só Notícias