Política

Deputado Wilson Santos entra na base aliada de Mauro Mendes na Assembleia

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) saiu da oposição, e, agora, integra a base do governo Mauro Mendes (DEM) na Assembleia Legislativa. Ele manifestou apoio as ações e pautas que o governo tem encampado, como a reforma da previdência, a reinstituição dos incentivos fiscais, e o combate à sonegação fiscal no Estado. O anúncio foi feito, esta noite, no Palácio Paiaguás. “Aceitei o convite do governador Mauro Mendes, venho votando com o governo desde a posse do governo. Após a posse, o governo enviou um pacote de projetos de Lei, e eu votei a favor da maioria deles. Votei a favor da reforma administrativa, que enxugou o número de secretarias, da Lei de Responsabilidade Fiscal estadual”, disse Wilson.

Segundo o governador, a experiência do parlamentar, e a intenção de olhar para os interesses maiores do Estado, trouxeram o deputado para a base.“Ele trouxe uma pauta importante de reivindicações, e todos os pontos foram discutidos com uma probabilidade de o governo trabalhar e implementar nos próximos meses e anos. São áreas de interesse da população, de certas regiões, certas cidades. Entendemos que estas defesas são republicanas, e fazem parte do dia a dia do trabalho da representatividade parlamentar”.

Mauro considera que a união representa o momento de olhar para o presente e para o futuro de Mato Grosso. Eles já disputaram a prefeitura de Cuiabá e o Governo do Estado, e agora, têm o objetivo em comum de promover a melhoria da máquina pública por meio de propostas enviadas à Casa de Leis.

Wilson Santos também declarou que sua experiência de mais de 30 anos na política, como prefeito e deputado podem ajudar o governo a aprimorar as propostas do governo que são enviadas para discussão na Assembleia, há uma convergência de ideais, e elogia o perfil reformista do governador. Ele reforça o posicionamento de Mauro que quer um governo menor, uma máquina menor, com menos gastos ‘para dentro’ e mais investimentos para a sociedade. “Não é possível que o Estado continue gastando quase 98% com apenas quatro itens: folha salarial, encargos sociais, dívida com a União, e com o custeio da máquina”, defende Wilson.

Redação Só Notícias (foto: assessoria - atualizada 21:21h)