Política

Congresso aumenta Fundo Eleitoral para R$ 5,7 bilhões; maioria da bancada de MT votou a favor

O Congresso Nacional derrubou nesta sexta-feira um veto presidencial e, com isso, ampliou o valor do Fundo Eleitoral de R$ 2 bilhões para mais de R$ 5,7 bilhões. Em agosto, o presidente da República havia vetado essa ampliação quando sancionou a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022. O trecho, antes vetado e agora derrubado, agora segue para promulgação.

O veto foi primeiro analisado na Câmara e os deputados o derrubaram por um placar de 317 votos a 143. Entre a bancada mato-grossense, votaram para derrubar o veto e aumentar o Fundo Eleitoral os deputados Carlos Bezerra (MDB), Leonardo (SD), José Medeiros (Podemos), Juarez Costa (MDB), Neri Geller (PP) e Rosa Neide (PT). Emanuel Pinheiro Neto (PTB) e Nelson Barbudo (PSL) votaram pela manutenção do veto e contra o aumento.

No Senado, foram 53 votos pela derrubada do veto e 21 por sua manutenção. Os três representantes de Mato Grosso, os senadores Carlos Fávaro (PSD), Wellington Fagundes (PL) e Jayme Campos (DEM), votaram pela derrubada do veto e aumento do Fundo Eleitoral.

No Senado, assim como na Câmara, o assunto foi alvo de debates.Para o senador Telmário Mota (Pros-RR), ser a favor do veto, e contra os R$ 5,7 bilhões para as campanhas, é adotar um “discurso fácil e demagógico”. Ele defendeu a derrubada do veto para, segundo ele, trazer igualdade de condições aos candidatos e fortalecer a democracia.

“Como um líder comunitário vai conseguir disputar uma eleição com um grande empresário ou um descendente de uma oligarquia? O sistema de financiamento privado [de campanha] quase comprometeu a democracia brasileira. Escolheu-se o financiamento público. É preciso o financiamento ser igualitário para todos”, afirmou.

Já o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) se disse “indignado” com tal quantia para o Fundo Eleitoral. Para ele, não é momento do país reverter tal quantia para campanhas políticas. “A manutenção do veto é o mínimo de respeito com um país machucado pela pandemia, com mais de 20 milhões de pessoas passando fome e que agora, no apagar das luzes, se vê no direito de premiar presidentes de partidos e candidatos nas próximas eleições com montanhas de dinheiro público.”

O Fundo Especial de Financiamento de Campanha, ou apenas Fundo Eleitoral, foi criado em 2017. Sua criação se seguiu à proibição do financiamento privado de campanhas. Em 2015, o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu doações de empresas a campanhas políticas, sob alegações de haver desequilíbrio na disputa política e exercício abusivo do poder econômico.

Sem a verba privada para custear campanhas eleitorais, foi criado o Fundo Eleitoral. Ele é composto de dotações orçamentárias da União, repassadas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em até o início do mês de junho, apenas em anos eleitorais. Em 2018, por exemplo, foi repassado aos partidos pouco mais de R$ 1,7 bilhão do Fundo Eleitoral para financiamento de campanhas.

Só Notícias com Agência Brasil (foto: assessoria)