Política

Blairo estuda criação de megasecretaria

O Governo de Mato Grosso deverá ter uma mega-secretaria. Ela vai nascer com a fusão das áreas de desenvolvimento rural e de indústria, comércio e minas e energia e já tem nome definido: Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Os estudos estão adiantados na área de planejamento do Governo e deve ser encaminhado nas próximas semanas para a Assembléia Legislativa. A iniciativa deverá precipitar o que alguns já chamam de mini-reforma administrativa – que inclui alterações no secretariado – visando a preparação do Governo para o ano eleitoral.

Técnicos do Governo há tempos vem defendendo a tese de que não justifica o Governo ter duas secretarias para cuidar da mesma área fim, em que pese os projetos e programas de Indústria, Comércio e Minas e Energia, pasta atualmente ocupada por Alexandre Furlan, serem diferentes dos objetivos programados na Secretaria de Desenvolvimento Rural, cargo a qual está o secretário demissionário Otaviano Pivetta. Maggi agora está propenso a assumir a idéia e, com isso, concentrar o poder de investimento do Estado.

”Vamos estudar e ver isso o mais rápido possível” – admitiu nesta segunda-feira o governador Blairo Maggi, que vem buscando definições sobre quem vai ficar no Governo e, ao mesmo tempo, entendimentos políticos-partidários visando as eleições do ano que vem. A criação dessa“mega-secretaria” , a princípio, contemplaria o PFL, que vem demonstrando sinais de pouca satisfação com o nível de participação no Governo.

Maggi insistiu que o PFL é um partido aliado e, que, portanto, deverá continuar tendo espaço no Governo. Ele não quis comentar a respeito da ressalva feita pelo presidente do partido, Jaime Campos, quanto a indicação feita para a Secretaria de Infra-Estrutura. O cargo vai ser ocupado por Vilceu Marchetti, do PFL de Primavera do Leste, mas sob a chancela de indicação do próprio governador, com o partido apenas dando o seu aval para o partidário. O governador prefere acreditar que as relações com o PFL seguem dentro da normalidade política.