Polícia

Policiais apreendem celulares na cadeia em Lucas do Rio Verde

Uma ação conjunta entre policiais penais, militares e investigadores da Polícia Civil e membros do Ministério Público apreenderam, ontem, três aparelhos de celulares, em celas diferentes do Centro de Detenção Provisória (CDP). As apreensões fazem parte da operação, Reclusos, que investiga grupo criminoso envolvido em diversos crimes na região e que resultou na prisão de alguns líderes.

Conforme o diretor da unidade, José Ronaldo Frutuoso o objetivo da ação é evitar que os presos continuem comandando o tráfico de drogas. “O intuito é retirar ilícitos de dentro da unidade. As ações da cadeia ocorrerem corriqueiramente. Sempre estamos nesse propósito. Nosso desejo é que não fosse encontrado nenhum. Nós não compactuamos com essa ação na unidade”.

De acordo com o delegado de Polícia Civil Marcelo Maidame, na unidade prisional existe uma facção criminosa “que demanda poderes para as pessoas que estão fora da cadeia. Eles recebem ordens através desses celulares. Isso implicará em falta administrava para esses presos que poderão ter suas progressões negadas pelo Judiciário. A unidade prisional é muito complexa e tem várias maneiras para que esses aparelhos entrem”.

Conforme Só Notícias já informou, na última segunda-feira, os policiais penais conseguiram acabar com motim, no Centro de Detenção Provisória de Lucas do Rio Verde. Os policiais penais ouviram gritos de subversão e batidas nas grades das celas da unidade. Ao verificarem, constataram a situação iniciada por alguns reeducandos.

Em Sinop, um dos reeducandos do presídio Osvaldo Florentino Leite, “O Ferrugem” foi pego, na segunda-feira, com oito mini-celulares, três carregadores, sete chips e quatro cabos de USB enrolados numa bexiga e introduzidos no ânus.

Só Notícias/Cleber Romero e Altair Anderli, de Lucas do Rio Verde (fotos: assessoria)