terça-feira, 23/julho/2024
PUBLICIDADE

Polícia indicia fazendeiro por assassinato de advogado em MT e aponta “disputa agrária”

PUBLICIDADE
Redação Só Notícias (foto: Só Notícias/arquivo)

A Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Cuiabá indiciou um fazendeiro de Rondonópolis, de 76 anos, por mandar matar o advogado Roberto Zampieri, de 56 anos, em dezembro do ano passado, em Cuiabá. O inquérito policial foi encaminhado hoje ao Poder Judiciário e ao Ministério Público Estadual e ele responderá por homicídio duplamente qualificado, crime praticado mediante emboscada, com recurso que impossibilitou a defesa da vítima e mediante recompensa.

Segundo a Polícia Civil, os indícios e materiais probatórios reunidos na investigação comprovaram a ligação entre o mandante e o intermediário, o coronel da reserva do Exército, Etevaldo Luiz Caçadini, além do vínculo do intermediário com os executores. A polícia acrescenta ainda que os indícios reunidos no inquérito não identificaram elementos suficientes para o indiciamento da esposa do mandante.

De acordo com o delegado responsável pela investigação, Nilson André Farias, a motivação do crime envolveu uma disputa agrária na região de Paranatinga, onde o mandante tem uma propriedade rural. A área, objeto da disputa que o casal estava perdendo para o advogado Roberto Zampieri, que representava a parte adversária, está avaliada R$ 100 milhões.

A investigação apontou ainda que a família dos investigados estava em posse da fazenda há aproximadamente 20 anos, mas havia uma discussão em relação ao título de propriedade da área. Quando o casal percebeu que poderia perder a terra e, acreditando em uma proximidade da vítima com quem competia decidir a causa agrária, decidiu contratar uma pessoa para executar o advogado.

Roberto Zampieri foi assassinado na noite do dia 5 de dezembro, na frente de seu escritório localizado no bairro Bosque da Saúde, em Cuiabá. A vítima estava dentro de uma picape Fiat Toro quando foi atingida pelo executor, que fez diversos disparos de arma de fogo.

Durante a investigação, a Polícia Civil identificou todos os envolvidos no crime, além do mandante – o executor, o intermediário e o financiador do crime. Os responsáveis por executar o crime foram presos pela Polícia Civil, no início deste ano, no estado de Minas Gerais e depois transferidos a Cuiabá.

Em março deste ano, a equipe da DHPP cumpriu a prisão temporária do mandante, deferida pelo Núcleo de Inquéritos Policiais de Cuiabá. Contudo, ele foi liberado posteriormente pela Justiça mediante o cumprimento de medidas cautelares, entre elas o monitoramento por tornozeleira eletrônica. No mês de abril, o mandante foi alvo de mandado de busca para apreensão de celulares, porém, a equipe policial apurou que ele e a esposa já havia trocado os aparelhos, que são distintos daqueles usados por eles na época do homicídio do advogado.

Receba em seu WhatsApp informações publicadas em Só Notícias. Clique aqui.

COMPARTILHE:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias
Relacionadas

PM prende homem acusado de importunação sexual em Sinop

A Polícia Militar prendeu, ontem à noite, Jardim das...

Polícia localiza foragido por roubo qualificado no Nortão e apreende drogas

A ação conjunta entre equipes da Polícia Civil e...

Homem é preso com tablete de cocaína e R$ 22 mil em espécie no Mato Grosso

Equipes da Força Tática de Cuiabá apreenderam, ontem, um...
PUBLICIDADE